Primo do goleiro Bruno afirma que corpo de Eliza Samudio está na RMBH

Corpo estaria enterrado em um terreno próximo ao Aeroporto Internacional Tancredo Neves; Jorge Luiz Rosa deu entrevista a uma rádio do Rio de Janeiro contando como chegar até o cadáver

iG Minas Gerais | Da Redação |

Advogado declara que cliente realizou entrevista sem seu conhecimento
REDE GLOBO / PRODUÇÃO
Advogado declara que cliente realizou entrevista sem seu conhecimento

O primo do goleiro Bruno Fernandes, revelou nesta quinta-feira (24), que o corpo da modelo Eliza Samudio está enterrado em um terreno próximo ao Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte. Jorge Luiz Rosa deu uma entrevista a Rádio Tupi do Rio de Janeiro, contando que ela foi torturada e morta por asfixia na casa de Marcos Aparecido dos Santos, o Bola.

Ainda, segundo Rosa, o corpo foi enrolado em um lençol e colocado dentro de um saco lacrado. Rosa era menor de idade, na época do crime. Ele foi condenado a três anos de serviços comunitários pelo envolvimento com o crime.

"Ela não foi esquartejada. Só cortaram a mão dela. O corpo ficou inteiro", afirmou Rosa, acrescentando que o corpo foi transportado até o local no porta-malas de um EcoSport.

Rosa detalhou bem o local onde o corpo de Eliza foi deixado. "Fica próximo ao aeroporto. Antes de chegar ao local, passa um retorno, depois de três ruas, entra numa estrada de chão. É um lugar distante. Ela foi enterrada perto de um pé de coqueiro grande e único dentro do terreno. Mesmo se não tiver mais esse pé de coqueiro no local, eu sei onde ela (corpo de Eliza) está. O buraco onde ela foi enterrada foi feito por uma retroescavadeira para dificultar a localização do corpo", garantiu. 

Rosa ainda relembrou como a mulher foi morta e contou que ficou segurando Bruninho, filho de Bruno e Eliza, enquanto a modelo era assassinada. "Eu estava em Belo Horizonte e não sabia que aquilo ia acontecer. Eu não conhecia aquele lugar. Como eu ia sair para pedir ajuda? Como eu ia sair do local correndo? Não pude fazer nada porque o Bola é um psicopata, mata fácil. Fiquei com medo de sair para pedir ajuda".

Quando questionado sobre a demora em revelar a história, Rosa disse que não sabia quem procurar. "Eu não sabia a pessoa certa para eu confiar para contar isso. Eu pensei muito. Me coloquei no lugar dela. De fazerem alguma coisa comigo. Isso não vai aliviar a pena do Bruno. Quero fazer a minha parte, mostrar onde ela está".

Também, Rosa afirmou que não recebeu dinheiro para participar do sequestro de Eliza Samudio. Ainda disse que o outro primo de Bruno, Sérgio Rosa Sales, que foi morto em 2012, teria sido assassinado por ter participado da reconstituição do crime. Rosa culpa Bola pela morte dele. "Ele (Sérgio) falou de mais", contou Rosa.

Devido a pressão, Rosa confirmou que criou versões para o que aconteceu. "Eu falando a verdade, eles não iam me soltar. Eu inventava uma história atrás da outra. Foi muita pressão em cima de mim".

Confira a íntegra da entrevista à Rádio Tupi

Investigações

Por meio da assessoria de imprensa da Polícia Civil, o chefe do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), Wagner Pinto, informou que a polícia ficou sabendo das declarações de Rosa por meio da imprensa e que irá buscar as informações prestadas pelo jovem e verificar se há fundamento nas falas dele.

Caso haja, a polícia pode realizar buscas no local apontado por ele, na tentativa de localizar o corpo de Eliza. Ainda, segundo a assessoria, a Polícia Civil de Minas Gerais nunca fez diligências no ponto indicado por Rosa.

Relembre o caso

Depois de um breve relacionamento com o ex-jogador do Flamengo, Bruno Fernandes, a modelo Eliza Samudio engravidou. Depois do nascimento de Bruninho, o goleiro se negou a registrar a criança e o casal começou a se desentender.

Eliza foi levada até o sítio do atleta na região metropolitana de Belo Horizonte e morta. Bruno e outros dois comparsas foram condenados pelo crime no final de 2012. Atualmente ele está detido na Penitenciária de Segurança Máxima de Francisco Sá, no Norte de Minas Gerais.

Condenações

O goleiro Bruno foi condenado a 22 anos e três meses de prisão em regime fechado por ter sido o mandante do assassinato de sua ex-amante, Eliza Samudio. A sentença foi proferida por sete jurados na madrugada do dia 8 de março de 2013, Dia Internacional da Mulher.

O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos (Bola) foi condenado no dia 27 de abril de 2013 pela morte e ocultação do cadáver de Eliza. Bola cumpre pena no Presídio de São Joaquim de Bicas, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Atualizada às 12h53

Leia tudo sobre: entrevistacorpoEliza SamudioBruno Fernandes