“Uma pessoa que trabalhe sete meses ganha por 12”

José Márcio Camargo Economista da PUC-Rio

iG Minas Gerais |

Qual é a origem da alta rotatividade brasileira?  

Quando um trabalhador é demitido, ele ganha um prêmio, uma recompensa financeira, que é composta pelo saldo do FGTS, a multa de 40% do fundo, o seguro-desemprego e o aviso prévio. Uma pessoa que ganhe um salário mínimo e que trabalhe sete meses, ganha por 12 meses. Quanto menor a taxa de desemprego, maior o incentivo para ser demitido. Há muitos que são demitidos e ficam por um tempo na informalidade, recebendo sem carteira até acabar o seguro-desemprego. Ou seja, recebem dois salários.

É uma atitude premeditada?

No caso dos trabalhadores, não estou falando do funcionário da Vale, mas do cara do boteco da esquina, do vigia. Só diz que não conhece essa prática quem nunca contratou ninguém. Desde a década de 1990, pouca coisa foi feita. O aviso prévio proporcional ao tempo de serviço piorou as coisas. O profissional que é qualificado não vai querer ser demitido. Para o não qualificado, o boy, o garçom, vale mais a pena rodar e ser demitido.

Quais as implicações do troca-troca de emprego?

Esse é o problema mais sério da legislação trabalhista brasileira. É uma das principais razões para termos uma produtividade tão baixa. Sem diminuir a rotatividade, não se aumenta a produtividade. A história de outros países mostra que a reforma trabalhista é uma das coisas mais difíceis de serem feitas. Há muitos interesses. Historicamente, as reformas são feitas quando o mercado de trabalho não está bem.

Por que os trabalhadores têm menos poder de barganha?

Desemprego alto não é bom para ninguém. Os empresários também não gostam de desemprego alto. As empresas e os trabalhadores têm um horizonte muito curto. A legislação incentiva os dois agentes a ter uma atitude oportunista.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave