'Literatura brasileira perde grande referência', diz Dilma

Em nota divulgada após a notícia da morte de Ariano Suassuna, presidenta diz que escritor foi capaz de traduzir a alma, a tradição e as contradições nordestinas em livros

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Dilma diz que Suassuna foi capaz de traduzir a alma e tradição nordestinas
Dilma diz que Suassuna foi capaz de traduzir a alma e tradição nordestinas

A presidenta Dilma Rousseff destacou nesta quarta-feira (18) que a literatura brasileira perdeu uma grande referência cultural, com a morte do escritor e dramaturgo Ariano Suassuna.

Em nota divulgada após a notícia da morte de Suassuna, a presidenta diz que "Suassuna foi capaz de traduzir a alma, a tradição e as contradições nordestinas em livros como Auto da Compadecida, Romance d'A Pedra do Reino e O Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta."

A nota destaca ainda que a obra do escritor paraibano, que morreu em decorrência de um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico, aos 87 anos, é essencial para a compreensão do Brasil.

A presidenta diz que guarda ótimas recordações dos encontros que teve com o escritor e desejou aos parentes, amigos e leitores, seus sentimentos neste momento de perda.

Suassuna era era membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) desde 1994, ocupando a Cadeira 32.

Ele foi autor de mais de dezenas de peças de teatro e de livros, sendo o Auto da Compadecida, sua obra de maior alcance popular.

O velório do corpo de Suassuna será no Palácio do Campo das Princesas, sede do governo pernambucano, no Recife. O enterro será nesta sexta-feira (24), às 16h, no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, região metropolitana do Recife.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave