Holanda diz que caixas-pretas de avião da Malaysia estão intactas

Os equipamentos, que registram conversas na cabine e dados técnicos da aeronave, foram recolhidos pelos separatistas pró-Rússia

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O Departamento Holandês de Segurança informou nesta quarta-feira (23) que estão intactas as caixas-pretas do Boeing-777 da Malaysia Airlines que caiu na última quinta-feira (17) na região de Donetsk, no leste da Ucrânia.

O avião seguia de Amsterdã para Kuala Lumpur com 298 passageiros, que morreram na queda. A hipótese mais provável é que a aeronave teria sido derrubada por um míssil antiaéreo disparado por separatistas pró-Rússia.

Os equipamentos, que registram conversas na cabine e dados técnicos da aeronave, foram recolhidos pelos separatistas que controlam a área da tragédia e entregues a autoridades malasianas. Em seguida, foram entregues aos holandeses.

Segundo os inspetores do país, os dados foram baixados e contêm informações válidas sobre o voo. O registro de dados do avião será enviado para análise ao Escritório Britânico de Investigação de Acidentes da Aviação.

No local, 24 inspetores de oito países e da Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO) tentarão usar as informações para determinar as causas do acidente. A investigação será comandada pela Holanda.

Luto

Nesta quarta (23), chegaram à Holanda os primeiros corpos de passageiros do Boeing-777 da Malaysia Airlines. O governo local decretou luto de três dias em homenagem aos 193 cidadãos mortos na tragédia.

Os restos mortais foram levados em dois aviões que saíram da cidade de Kharkov, para onde haviam sido encaminhados de trem pelos separatistas pró-Rússia na segunda (21).

A cerimônia, no aeroporto de Eindhoven, foi acompanhada por familiares e amigos das vítimas e pelos reis da Holanda, Williem-Alexander e Máxima, além do primeiro-ministro Mark Rutte.

Mais cedo, separatistas pró-Rússia derrubaram dois caças ucranianos com mísseis antiaéreos na região de Donetsk. Outros três civis foram mortos em combates entre o Exército ucraniano e os insurgentes na cidade de Lugansk.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave