Seca reduz safra em até 30%

Para produtores mineiros, segmento gourmet pode ser boa opção para reverter perdas da lavoura

iG Minas Gerais | ludmila pizarro |

Presidente da Faemg, Roberto Simões lançou ontem, em BH, a Semana Internacional do Café
Rafael Motta/FAEMG/DIVULGAÇÃO
Presidente da Faemg, Roberto Simões lançou ontem, em BH, a Semana Internacional do Café

A safra 2014/2015 do café não vai ser das melhores e a seca que atinge o país deve diminuir a colheita em até 30%, com a situação agravada em determinadas regiões do Estado, como o Sul de Minas. Entre 40% e 50% da safra já está colhida. “A seca está afetando tanto a quantidade como a qualidade do produto. Os grãos não se desenvolveram por falta de umidade”, esclareceu, nessa terça, o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Roberto Simões.

O quadro, porém, foi relativizado pelo presidente, que o classificou como uma situação pontual. O presidente da Cooperativa Agropecuária de Araxá Ltda (Capal), Alberto Adhemar do Valle Júnior, concordou que a situação é crítica, mas que é possível revertê-la. “Se o preço da saca permanecer em torno de R$ 400, creio que é possível compensar as perdas e conseguir recuperar”, opinou.

Leia a matéria na íntegra em nossa edição digital.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave