Dunga admite queda do futebol brasileiro: "Não vou vender um sonho"

Treinador prega discurso imediatista e retoma concepções de entrega e dedicação à seleção brasileira vistas em sua primeira passagem pelo escrete canarinho

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |


Treinador terá seu nome oficialmente anunciado pela CBF na próxima terça (22)
Divulgação
Treinador terá seu nome oficialmente anunciado pela CBF na próxima terça (22)

Para conquistar o tetracampeonato mundial, a Alemanha trabalhou arduamente por pelo menos oito anos. O Brasil não terá todo este tempo. Pelo menos esta foi a conclusão tirada após a coletiva de apresentação do técnico Dunga, nesta terça-feira, na sede da CBF, no Rio de Janeiro. Apoiado nos números conquistados em sua primeira passagem pela seleção, o treinador de currículo curto no futebol internacional quer preparar o escrete canarinho para um objetivo - o Mundial de 2018, na Rússia. As feridas causadas pelo 7 a 1 precisam de medidas cirúrgicas. 

"Na minha primeira passagem, a diretoria pediu que eu resgatasse o valor da seleção brasileira e que eu também conquistasse os resultados. Nesta segunda passagem, o objetivo é que nós possamos preparar a seleção brasileira para a Copa do Mundo de 2018", afirmou o treinador.

E o custo deste objetivo inclui algumas alterações de mentalidade, entre elas um recado aberto aos jovens jogadores. O que vai valer mesmo, a partir deste momento, é o imediatismo. Uma corrida contra o relógio bem à moda gaúcha, no estilo sério e carrancudo do capitão do tetracampeonato. 

"Nós gostamos muito de falar de talento, mas nós temos que buscar dentro da organização, do planejamento, um estilo de jogo com as características do futebol brasileiro. Não queremos trazer jogadores por aquilo que eles serão daqui a dez anos, mas sim o que eles podem fazer a curto prazo", afirmou.  

O treinador sabe que a missão não será fácil. O torcedor está chateado. Por isto, o discurso humilde e a necessidade de intervenções para 'ontem'.

"O torcedor está machucado, mas a seleção continua representando muito para o povo. Vamos reconquistar esta confiança com os resultados. Já temos um esboço (de equipe para o primeiro amistoso pós-Copa do Mundo), mas o torcedor brasileiro me conhece bastante e eu não vou vender um sonho, vou vender a realidade", disse. 

"A gente não pode achar que somos os melhores, nós já fomos os melhores, precisamos resgatar isto. Outras seleções trabalharam muito para chegar a este ponto. Temos que trabalhar muito para chegar aos melhores do mundo. Não podemos vender a ilusão de que as coisas serão tranquilas, será através de muito trabalho", completou Dunga.