Frigoríficos querem se capacitar para vender aos chineses

Em Minas Gerais, fim do embargo aumenta expectativa

iG Minas Gerais | Janine Horta |

Espera. Em Contagem, Frigorífico Plena já exporta para o exterior, e agora mira o mercado da China
Plena / Divulgacao
Espera. Em Contagem, Frigorífico Plena já exporta para o exterior, e agora mira o mercado da China

Com a volta do Brasil para o mercado exportador de carne bovina para a China, frigoríficos mineiros já estão se organizando para também entrarem nesse grande negócio. A expectativa é de um aumento de 10% nas vendas para o exterior, embora nem tanto quanto se imaginava, já que o mercado chinês é muito grande, mas bem diferente do brasileiro.

Quem explica é o presidente da Associação dos Frigoríficos Mineiros (Afrig), Sílvio Silveira. “Vai aumentar a exportação de quem já exporta, mas não será em um montante significativo diante do volume comercializado internamente. Temos o produto em abundância, mas o chinês não come carne bovina como nós. E quando come carne bovina, prefere miúdos”, pondera o presidente da Afrig.

Para Silveira, o aumento no volume de exportações só começará a ser sentido nos próximos seis meses, “É o tempo para que os primeiros negócios sejam fechados”, explica Silveira.

Na fila. No frigorífico mineiro Plena, que tem uma das plantas industriais em Contagem, a expectativa do aumento de exportações, caso seja fechado negócio com os chineses, é de 10%. A empresa exporta atualmente 400 toneladas de carne in natura por mês – o que equivale a US$ 1,6 milhão.

O mercado do Plena hoje está em Hong Kong, alguns países africanos (Congo, Gabão, Cabo Verde e Angola), e países do Oriente Médio. Com know-how para exportações adquirido, a empresa já deu entrada junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no processo de habilitação que, na prática, é um pedido de visita de uma comissão chinesa à fábrica interessada em exportar.

“Quando eles vêm e fazem a inspeção na fábrica, vão dizer se ela está apta ou não para vender. Entretanto, fechar o negócio será uma próxima etapa. Dependerá do preço da carne e como se comporta a concorrência”, explica a gerente de mercado externo da Plena, Ana Carolina Toledo Detoni.

Ele explica ainda que, para receber a visita, o frigorífico precisa estar de acordo com toda a legislação e procedimentos específicos do setor produtor de carne. “Já cumprimos todas as regras do Mapa e sabemos das exigências internacionais de exportação, que são grandes. Agora falta apenas receber a visita da missão chinesa”.

Mercado de bovinos em Minas Gerais, segundo IBGE

3,2% foi o crescimento da exportação no 1º semestre

2º maior rebanho de bovinos do Brasil está no Estado

24 milhões de cabeças, querepresenta 11,5% do total nacional

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave