Peça mostra conflitos entre pais e filhos, opressores e oprimidos

Mostra traz espetáculos do Espírito Santo para mostrar força e diversidade de sua produção

iG Minas Gerais | gustavo rocha |


Luís Carlos Cardoso encara o palco sozinho na peça “A Culpa”
LUARA MONTEIRA DIVULGAÇÃO
Luís Carlos Cardoso encara o palco sozinho na peça “A Culpa”

O escritor Franz Kafka é conhecido por sua escrita repleta de sentimentos não muito, digamos, “leves”. “O Processo” e “A Metamorfose” são livros permeados por embates de seus protagonistas com o mundo a sua volta e também com sua própria consciência. Pois o escritor e seu conto “Carta ao Pai” são a inspiração para o trabalho “A Culpa”, que se apresenta em Belo Horizonte, amanhã, no Sesc Palladium.

“A questão principal do espetáculo é justamente perguntar de quem é a culpa. Essa pergunta não recebe uma resposta, ela é lançada ao público”, revela o único ator em cena, Luís Carlos Cardoso.

O trabalho de Cardoso é fruto de uma investigação feita por ele, em um curso de pós-graduação, a respeito da obra de Kafka. O trabalho gerou uma performance. “Eu tive o desejo de transformar aquele trabalho em algo mais elaborado, pois eu pesquisei muito a obra dele. Daí eu convidei um coreógrafo e um músico e pensamos como poderíamos dar um novo significado à obra?”, diz Cardoso.

Sozinho em cena e com uma vivência performática, seria impossível não pensar que a literatura do autor tcheco não se entrecruzasse com a vida pessoal do ator. E a família dele, o que achou? “Essa é uma das diferenças desse trabalho: a gente sai da ficção e entra na realidade. Meu pai é uma forte referência para o trabalho. Ele já faleceu há dez anos. Minha mãe não gostou muito de saber dessa inspiração, mas ela entende que se trata de um trabalho artístico. É teatro. Essa relação de opressor e oprimido também serviu de inspiração para observar outras histórias, que lemos no jornal, por exemplo. Mesmo na obra do Kafka, o pai de ‘A Metamorfose’ é uma outra faceta do pai dele”, garante o ator.

A vinda do espetáculo a Belo Horizonte faz parte do projeto “Diálogos no Palco”, promovido pelo Sesc do Espírito Santo. A iniciativa busca mostrar o teatro desenvolvido no Estado, com produção menos conhecida no Sudeste. “Temos grupos que trabalham ininterruptamente aqui há muito tempo. Esse projeto é fundamental para o teatro de grupo do Espírito Santo”, comemora o artista, integrante do Grupo Anônimos de Teatro, de Cachoeiro do Itapemirim.

Agenda

O quê. “A Culpa”

Quando. Amanhã às 20h.

Onde. Sesc Palladium (rua Rio de Janeiro, 1.046, centro)

Quanto. Gratuito

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave