Arte e história inspiram debate

Adriana Varejão está entre convidados do projeto Inhotim Escola

iG Minas Gerais | Carlos Andrei Siquara |

Adriana no pavilhão dedicado à sua obra e inaugurado em 2008
charles duarte/18.3.2008
Adriana no pavilhão dedicado à sua obra e inaugurado em 2008
Após duas edições realizadas neste ano, centradas nos temas trabalho e espaço, a artista Adriana Varejão, a historiadora Norma Cortês e o dramaturgo Eduardo Moreira concluem esta etapa do projeto Inhotim na Escola, que acontece hoje no auditório do Museu Histórico Abílio Barreto. Desta vez, os três vão desenvolver pensamentos em torno do conceito de história. Júlia Rebouças, curadora do programa, lembra que o bate-papo sempre toma como ponto de partida as obras da coleção do centro de arte contemporânea localizado em Brumadinho e mira agora os trabalhos de Adriana Varejão a serem apresentados no evento. “As criações de Adriana têm uma relação direta com a história. O Brasil colonial é um dos momentos que interessa muito a ela. A artista frequentemente está pensando nessas marcas deixadas pelos processos de colonização, até os dias de hoje, na formação do tecido social do país”, aponta Júlia Rebouças.  Outro aspecto sublinhado pela curadora é a maneira como Adriana também se debruça sobre a questão das identidades culturais. “Quem é a mulher ou o sujeito brasileiros são indagações que ela e faz em outras propostas. Adriana inclusive coloca a cor da própria pele em discussão, a fim de refletir sobre o sujeito de hoje e o lugar dele no mundo”, acrescenta. Em relação à participação de Norma Cortês e Eduardo Moreira, ela explica que ambos contribuem para somar outras perspectivas sobre o assunto.  "A Norma Cortês, por exemplo, realiza um curso chamado História da História e achamos que seria interessante trazê-la para pensar conosco esse tema. Já Eduardo Moreira é um ator e diretor de teatro que lida muito com essa temática, com foco na fronteira entre ficção e história”, detalha.   Iniciada em 2013, a iniciativa de colocar o público em contato com artistas e outros profissionais, para Júlia, tem provocado a revisão de preconceitos, como a ideia de que a arte contemporânea é algo hermético ou muito distante da realidade. “Estamos interessados em conversar sobre questões que, embora tenham a arte como passo inicial para o debate, dizem respeito ao espaço da nossa cidade, à nossa trajetória, o que nos possibilita perceber melhor a maneira como vivemos; as nossas relações socais e de trabalho, entre outros”, diz. “É uma oportunidade também do público mostrar como se relaciona com essas obras e esses questionamentos”, conclui a curadora.  Agenda O quê. Inhotim Escola com Adriana Varejão, Norma Cortês e Eduardo Moreira Quando. Hoje, às 19h30 Onde. Museu Histórico Abílio Barreto ( av. Prudente de Morais, 202, Cidade Jardim) Quanto. Entrada franca

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave