Anac investigará pousos irregulares no aeródromo de Cláudio

Não há autorização legal para movimentação aérea no local; segundo jornal, Aécio Neves utiliza aeroporto sempre que visita a cidade

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) vai investigar se aviões pousaram e decolaram a partir do aeródromo de Cláudio, construído pelo governo de Minas Gerais em uma área que pertenceu a um parente do presidenciável Aécio Neves (PSDB).

Segundo a agência, não há autorização legal para movimentação aérea no local porque o uso da pista ainda não foi liberado perlo órgão de fiscalização. Na prática, o aeroporto ainda não existe.

Como a Folha de S.Paulo revelou no domingo (20), Fernando Tolentino, um dos primos de Aécio, afirmou que a pista recebe ao menos um voo por semana e que o presidenciável usa o aeroporto sempre que visita a cidade. Aécio possui, em conjunto com familiares, uma fazenda localizada a 6 quilômetros do aeródromo.

A Anac dará prazo de 10 dias para que o governo de Minas e a prefeitura local se pronunciem e fará diligências no aeroporto de Cláudio e em outros da região para apurar eventuais operações clandestinas.

Se comprovadas irregularidades, a agência avaliará quais sanções são cabíveis neste caso.

AEROPORTO

A Folha de S.Paulo revelou que, no fim do segundo mandato de Aécio como governador de Minas Gerais, o Estado construiu um aeroporto em terreno que já pertenceu a Múcio Guimarães Tolentino, tio-avô do candidato tucano e ex-prefeito da cidade. O terreno foi desapropriado para a construção do aeroporto, no município de Cláudio. O Estado gastou quase R$ 14 milhões na obra. Aécio usou seus perfis nas redes sociais para contestar a reportagem da Folha. "O aeroporto foi construído em área pertencente ao Estado, não havendo investimento público em área privada", declarou o candidato tucano.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave