'Estamos atrás de Alemanha e Espanha', afirma Neymar

Neymar deu notas 6 e 7 para o rendimento da seleção na Copa, mas evitou críticas ao trabalho de Felipão

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

VIPCOMM/DIVULGAÇÃO
undefined

Para Neymar, o futebol brasileiro não está ultrapassado. Na avaliação do craque, porém, o Brasil está atualmente atrás de Alemanha e Espanha, países que venceram as duas últimas edições da Copa do Mundo. "Ultrapassado, não. Mas acho que está atrás de Alemanha e Espanha. Tem de ser homem suficiente para assumir isso", disse o atacante, em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo.

Neymar deu notas 6 e 7 para o rendimento da seleção brasileira na Copa do Mundo, mas evitou críticas ao trabalho do técnico Luiz Felipe Scolari. "Não senti nada de errado, para mim estava dando tudo certo", afirmou.

Ao dizer que não entende de tática, ele disse que apenas cumpria ordens do treinador. "Não teve um erro principal. Não entendo muito de tática, tínhamos um comandante que era um dos melhores, mas já aconteceu, passou".

Ainda de acordo com o atacante, o vexame da eliminação na semifinal após goleada por 7 a 1 para a Alemanha, no Mineirão, não foi provocado por falta de treinos. "A gente sempre treinou, quem está de fora vê de outra forma. Os treinos eram cansativos e a gente se dedicava ao máximo. Não quero comprometer um ou outro. O que ele (Felipão) pedia, a gente tentava fazer da melhor forma. Não digo que ele errou ou foi mal na escalação. Eu também escalaria os 23 que foram para a Copa".

Neymar também disse que não gostou das críticas que os jogadores receberam durante o Mundial, principalmente as direcionadas ao atacante Fred, alvo de muitas brincadeiras nas redes sociais. "Achei as críticas exageradas. Imagina o seu filho vendo isso. As pessoas esquecem que os jogadores têm família. Somos 23 jogadores, mais a comissão. Se perde o jogo, perde todo mundo. Perdemos dessa vez e na próxima vez vamos fazer de tudo para ganhar".

Para o craque, o fato de muitos jogadores chorarem antes das partidas, na execução do hino nacional, não era uma demonstração de desequilíbrio emocional do grupo. "O cara que fala isso é leigo, não entende o que acontece ali dentro de campo. Estávamos realizando um sonho de criança e batalhamos muito para chegar ali".

LESÃO - Usando uma cinta para proteger a região lombar, onde sofreu uma fratura na terceira vértebra da coluna, após entrada do colombiano Zúñiga nas quartas de final da Copa, Neymar voltou a dizer que aceita os pedidos de desculpas do lateral-direito, mas criticou a forma como o jogador chegou para marcá-lo. "Não vou concordar com o que ele fez, mas aceito as desculpas. O movimento que ele fez não é de futebol", disse, se referindo ao fato de que o adversário levantou o joelho para atingi-lo pelas costas.

Leia tudo sobre: neymarbrasilatrasalemanhaespanhafutebolcopa do mundo