No escuro, o fetiche aparece

O anonimato é essencial para os casais, e o clima de mistério faz parte da noite nas casas de swing

iG Minas Gerais | Bárbara Ferreira |

Etiqueta da noite. Entre as quatro paredes dos clubes de swing, tudo é permitido, mas ninguém é obrigado a nada
Osvaldo Ramos / O Tempo
Etiqueta da noite. Entre as quatro paredes dos clubes de swing, tudo é permitido, mas ninguém é obrigado a nada

A primeira impressão é de que o hall de entrada é apenas um scoth bar, onde os casais curtem a noite embalados ao som de um banquinho e um violão. Mas rapidamente se percebe que o erotismo e a sensualidade estão por todos os lados, e os casais começam a entrar no clima do sexo. Como quase tudo ali, a chegada parece um ritual. Na medida em que as pessoas vão explorando a casa, a realidade do swing começa a ficar mais explícita.

É junto com o fim da noite e a entrada da madrugada que os “dark rooms”, o cinema pornô e o famoso “labirinto” vão aparecendo. A bebida vai subindo e a música vai ficando agitada. O show erótico à 1h30 é o início do auge. Depois disso, as roupas são apenas acessórios e não há mais moralismo ou pudor. O que vale é a diversão e o prazer. Sexualidade

Para o psicanalista Paulo Roberto Ceccarelli, não é possível definir um motivo para que os casais procurem o swing, já que a sexualidade é algo muito particular. “A questão da sexualidade é como ela é. Não dá para generalizar, e cada um tem uma história”, analisa. Ele acredita que a presença de casais com muitos anos de união se explica pela perda da atração sexual com o tempo. “Pode ser uma nova forma de ter uma vida erótica satisfatória depois de anos de casado. Isso faz bem para o casal”. Ceccarelli não considera que houve um aumento de adeptos. Para ele, o swing sempre existiu, mas o que acontece agora é uma liberdade para que essas práticas apareçam.

Leia a matéria na íntegra em nossa edição digital.


Preparação e conversa ajudam na "estreia"
Casados há 21 anos, com dois filhos e, segundo eles, apaixonados, Ricardo e Ana* entraram em uma casa de swing pela primeira vez na última sexta-feira. A decisão não foi fácil. Levou mais de um ano de preparação. A fantasia de estar com outras pessoas sempre surgia durante as relações, o que fez com que Ricardo acabasse fazendo a proposta para a mulher. Ela, que se casou muito nova e teve pouca experiência com outros homens, topou na hora.

“Isso sempre surgia em conversas e era uma fantasia dos dois. Mas, antes de pensar em vir até aqui, sempre achava que isso seria bom para ela também. Eu já vivi outras experiências e acho que isso vai ser bom para os dois”, contou Ricardo. Já Ana, um pouco tímida, acabou confessando que estava bem animada e mostrou até uma fitinha escondida embaixo da saia, algo que ela preparou para a estreia.

Os dois chegaram a sair de casa para ir ao swing outras duas vezes, mas acabaram desistindo no meio do caminho. Essa sexta-feira foi especial e eles chegaram até lá. A noite não acabou com a tão esperada troca, mas eles gostaram da experiência e vão tentar outras vezes. Eles saíram juntos de um dos “dark rooms” e, de mãos dadas, foram embora prometendo continuar a festa a dois.

Leia tudo sobre: swing