O descanso do guerreiro

iG Minas Gerais |

“A Rússia é infinitamente mais corrupta e a Itália é uma roça pequena controlada pela máfia”
Bárbara Dutra/Divulgação
“A Rússia é infinitamente mais corrupta e a Itália é uma roça pequena controlada pela máfia”
O apelido do estilista mineiro (e do mundo) Inácio Ribeiro é Papaulo – lembra aqueles nomes gregos, como Papadoupolos. É um chamamento simpático, que combina bem com o dono e os múltiplos talentos que exerce ao lado da mulher, Suzanne Clements, na grife Clements Ribeiro. A aula pode começar. Inácio, a última vez que você conversou com a coluna foi há um ano. Tem vindo com mais frequência ao Brasil? Infelizmente, não. Volto pela primeira vez este ano e, provavelmente, será a única. Meu network com o Brasil, porém, ampliou-se. Não só pela mídia social, mas, também, no sentido mais tradicional. O que te trouxe desta vez? A família e a Copa, claro. Meu filho mais velho, Hector, veio comigo para fazer estágios de trabalho, praticar o português e aprender o “jeito brasileiro”, um ótimo complemento à sua educação europeia. Ele adora o Brasil e minha família, e torceu pelo país como um filho da terra mesmo. Minha esposa e filha ficaram na Inglaterra. Vivendo há 26 anos em Londres, como você vê hoje nossa terra, uma “roça grande”? Acompanho as mudanças no Brasil com fascínio. Talvez ainda seja uma “roça grande”, mas uma roça de muita classe. A Rússia é infinitamente mais corrupta e a Itália é uma roça pequena controlada pela máfia. O mundo não é mais dividido entre Europa/EUA e o resto. Eles ainda têm o poder e a cultura, mas estão em ruínas. Nós ainda estamos subindo o morro, mas avançando. Pelo seu perfil no Instagram, parece que a agenda cultural em BH está agitada... Eu sou muito ligado às artes plásticas e adoro a arte de Minas, que fala diretamente às minhas raízes. Visito sempre as galerias e tenho muito orgulho de nossa herança cultural que, de maneira geral, não é valorizada o suficiente. Falemos de moda. Você continua não acompanhando o que é criado/produzido no Brasil? Sinceramente, não. Mantenho-me informado pelo Instagram, de maneira superficial. Há muita moda acontecendo por todo lado, eu desisti de ficar a par de tudo. Me mantenho atualizado somente dos mercados internacionais e eventos mais importantes. Para a Clements Ribeiro, a internet continua sendo a melhor plataforma de lançamento, promoção e venda da marca? Sim. É importante reconhecer os ciclos de uma marca, seus altos e baixos, e oportunidades de adaptação. Tivemos muito problemas há seis anos, devido a um contrato de licença com uma firma italiana. Desde então, resolvemos trabalhar de forma mais low profile e experimentar novas alternativas para termos mais controle sobre nossa marca e contermos os riscos financeiros. A internet é ótima para isso, pois elimina intermediários. Algum projeto profissional em vista? Recentemente, lançamos uma linha de produtos solares para a famosa marca francesa Lancaster. Em outubro, lançaremos também uma coleção colaborativa com a marca de streetwear Starter Black Label, que é genial. Para o ano que vem, estamos preparando uma linha de interiores que deverá incluir tecidos, papel de parede e acessórios para a casa. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave