Localização de caixa-preta vira nova disputa entre Rússia e Ucrânia

Líderes separatistas chegaram a dizer que tinham as duas caixas-pretas e que pretendiam entregá-las a Moscou. Depois, porém, negaram saber onde elas estavam

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A localização das caixas-pretas do voo MH17 é um novo ponto de disputa entre a Rússia e Ucrânia. As gravações podem ajudar a entender o que aconteceu com o avião, que caiu na quinta-feira (17) no leste ucraniano. As primeiras informações eram de que os serviços de emergência que iniciaram o resgate teriam encontrado as gravações e as entregado aos rebeldes.

Segundo a rede de televisão britânica BBC, atendentes teriam achado uma caixa-preta e os separatistas teriam encontrado a outra. Até agora nenhuma imagem confirma que as caixas-pretas foram de fato encontradas. Também não há informações oficiais sobre o assunto.

Líderes separatistas chegaram a dizer que tinham as duas caixas-pretas e que pretendiam entregá-las a Moscou. Depois, porém, negaram saber onde elas estavam.

Um assessor do ministro do Interior da Ucrânia, Anton Geraschenko, disse que o serviço de inteligência do país detectou que as gravações já teriam sido entregues à Rússia.

O governo russo, porém, declarou nesta sexta-feira (18) que não planeja se apossar das caixas-pretas do avião da Malaysia Airlines.

"Apesar do que o governo da Ucrânia diz, nós não temos planos de pegar as caixas-pretas. Não vamos violar normas internacionais para essas situações", disse o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov.

"Queremos que especialistas cheguem ao local da queda o quanto antes para levar as caixas-pretas", acrescentou. Outro líder pró-Rússia, Alexander Borodai, defendeu que as gravações sejam entregues a investigadores internacionais, provavelmente para os representantes da Organização para a Cooperação na Europa (OSCE). Um grupo de 30 representantes da organização chegaram ao local da queda.

"É de nossa grande interesse que tenhamos uma séria e isenta análise desta questão por especialistas internacionais, afirmou Borodai ao jornal "New York Times" segundo a publicação. "Nós vamos permitir qualquer especialista internacional na área de queda do avião".

Ele disse que as gravações vão provar a inocência dos separatistas. Kiev acusa os rebeldes de terem derrubado o avião com um míssil. Aliados de Borodai, disseram que estão com as caixas-pretas, mas ele não confirmou a informação.

Leia tudo sobre: CriseUcrâniaRússiaMalaysia AirlinesQuedaAviãoConflitoPró-RússiaRebeldesMundoTragédiaMortesabatimento