Com os pés no chão e a cabeça dispersa na lua

Rapper mineiro lança seu terceiro disco, “Azul”, em show com participação da cantora Laura Catarina, filha de Vander Lee

iG Minas Gerais | LUCAS SIMÕES |

Morador do Cafezal, Kdu dá aulas de rimas para jovens da comunidade
FLÁVIO CHARCHAR/DIVULGAÇÃO
Morador do Cafezal, Kdu dá aulas de rimas para jovens da comunidade

Não se deixe enganar pelos dreads longos ou pela cara de mau do compositor Kdu dos Anjos, 23. Por trás de uma suposta marra de rapper, existe um artesão de palavras da periferia que, além da pobreza e do descaso de governos, sabe rimar sobre um tema praticamente intocável pelo rap: o amor. “Descobri que o rap é de todos os temas. Não é só falar de preto, pobre e favela. Até porque rapper também fica doidão de amor”, brinca o músico. É com essa sinceridade que ele apresenta, hoje à noite, no Teatro Oi Futuro Klauss Viana, o show de lançamento do seu terceiro disco independente, “Azul”.

Cria do Duelo de MC’s, Kdu dos Anjos tem dois discos no currículo, “A Cidade” (2011) e “Prólogo” (2012). Porém, com “Azul” (2013) ele foge das amarras do rap convencional. Não só porque as 11 canções do disco foram escritas em apenas três dias, entre uma quarta-feira e sexta-feira de 2012, quando o rapper sofria por amor lendo as crônicas de Caio Fernando Abreu. “Foi uma fase difícil, guardei as músicas por dois anos, mas tudo isso passou. Tirei o nome do disco daquela passagem do Caio em que ele diz: ‘parecia que alguém tinha recém pintado o céu de azul’. Era o que eu sentia”.

Acompanhado da cantora Laura Catarina, 19, filha de Vander Lee, que participa do disco e interpreta todas as canções ao lado do rapper, Kdu dos Anjos mostra influências do reggae, dub, tecnobrega e música popular brasileira em raps que deixam de lado os tradicionais scratchs do hip hop (“como uma banda de rock sem guitarra”, brinca). No som, a suavidade da voz de Kdu dos Anjos é completada pela batida primária do rap aliada à baladas jazzísticas, como acontece em “Garçom”, ou inspirada em fontes improváveis, como a canção “Faixa Amarela”, com nome aproveitado do clássico de Zeca Pagodinho, mas com letra bastante original (“sempre declarações em público com meu freestyle / ou trancados no quarto lendo teu corpo em braile”).

Serviço.  Kdu dos Anjos faz show de lançamento do disco “Azul” no Teatro Oi Futuro (avenida Afonso Pena, 4.001, Serra), às 21h. Os ingressos custam R$ 15 (inteira) e R$ 7,50 (meia). O disco será vendido no local por R$ 5.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave