Ângelo Segrillo

Professor de história da Universidade de São Paulo - Autor do livro “Os russos”

iG Minas Gerais | Depoimento dado a Raquel Sodré |

O episódio de ontem com a aeronave da Malaysia Airlines é qualitativo no conflito, porque antes tratava-se de um confronto interno da Ucrânia – que diretamente incluía a Rússia. Agora, já começa a transbordar para terceiros países. Pode haver, a partir daí, interferência (de outras nações).  

Sem querer ser alarmista, acho que temos que tomar cuidado com essa situação. A Primeira Guerra Mundial, cujo início completa cem anos em 2014, também começou como um conflito muito localizado em um país pequeno e, de repente, transbordou. Se tiver que apostar, não acho que esse conflito vá virar uma guerra – pois acredito que já tenhamos aprendido com duas guerras mundiais –, mas é necessário cuidado, pois o sistema de alianças da Guerra Fria ainda existe. Além disso, a guerra envolve elementos irracionais.

Rússia e Ucrânia – assim como outros países dos Bálcãs – têm diversos povos vivendo em seu território. Os dois principais são ucranianos e russos. Os conflitos internos na Ucrânia começaram quando o ex-presidente foi deposto. O acirramento ocorreu porque as partes com maioria russa não aceitam o presidente atual, e algumas regiões se levantaram em armas. A Rússia apoia a minoria russa, pois julga que eles não podem simplesmente sair alijados dessa situação. Por isso, há uma intervenção direta russa sobre a Ucrânia. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave