A bagunça da democracia brasileira

iG Minas Gerais |

A democracia brasileira é uma bagunça, tanto no funcionamento do aparelho do Estado (relações entre os Três Poderes e pequenas repúblicas cartoriais envolvidas no exercício da atividade administrativa no dia a dia) quanto no processo eleitoral propriamente dito. A última semana desnudou a vergonhosa realidade dessa bagunça: alianças feitas sem respeito às identidades ideológicas ou éticas entre os candidatos de uma mesma coligação. Como em toda bagunça, o eleitor fica desconsolado, e o aparelho do Estado, caótico. Essa bagunça de casamentos imorais em grupos sem identidade, que foi chamada de “orgia” e “suruba”, respectivamente, pelo prefeito do Rio de Janeiro (RJ), Eduardo Paes, e pelo deputado Alfredo Sirkis (PSB-RJ), tem outro demonstrativo vergonhoso no custo das campanhas. Somente Dilma e Aécio preveem gastar R$ 588 milhões. Somando os demais presidenciáveis, o custo será de R$ 870 milhões. Em 2010, as eleições a todos os cargos custaram R$ 3,23 bilhões, cerca de 11 vezes mais do que os gastos dos presidenciáveis de então. Mantida a mesma proporção, em 2014 os gastos serão de R$ 9,7 bilhões, equivalentes ao pagamento de piso salarial para 100 mil professores ao longo de quatro anos. Nenhum regime pode ser considerado democrático se cada voto custa tão caro. O maior custo, porém, não é financeiro, é o caos político e administrativo que está esgotando o atual modelo de democracia brasileira, desmoralizando e emperrando o funcionamento do setor público. Apesar disso, ainda não vimos qualquer dos candidatos à Presidência propondo uma reforma eleitoral que reduza esse custo. Com três medidas seria possível fazer a redução dos custos, tanto financeiros quanto políticos. A proibição de alianças no primeiro turno levaria ao fim do comércio de tempo para os programas eleitorais. Essa medida reduziria o número de partidos e a consequente reorganização deles com base em identidade e substância de ideias e valores morais. A utilização do horário eleitoral para transmitir debates e falas diretas dos candidatos, sem qualquer manipulação marqueteira que, a custos altíssimos, busca enganar o eleitor e vender o candidato como se fosse mercadoria. Sem caros marketings, o custo seria menor e a qualidade da democracia seria maior ao colocar os candidatos se enfrentando e olhando nos olhos dos eleitores, sem a parafernália usada para iludir. Limitar os gastos eleitorais para cada candidato não poder gastar mais do que um determinado valor proporcional ao número de eleitores de sua circunscrição. Isso seria facilitado pela adoção de um sistema distrital misto em que alguns deputados e vereadores representam apenas os distritos, e não todo o Estado. As três medidas, entre outras, não deverão ser adotadas porque os candidatos que buscam a reeleição se beneficiam da bagunça, enquanto outros sonham em entrar nela.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave