Venda de veículos seminovos cresceu no primeiro semestre

Segundo levantamento, setor expandiu 4,6% em relação ao ano passado; em Betim, revendedoras de carros também registraram aumento

iG Minas Gerais | José Augusto |

Mercado de veículos seminovos cresceu 4,6% no primeiro semestre
João Lêus
Mercado de veículos seminovos cresceu 4,6% no primeiro semestre

A dificuldade em adquirir crédito e o aumento dos juros contribuíram para a queda na venda de carros novos neste ano, fazendo as montadoras pressionarem o governo para a manutenção da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos veículos até dezembro.

Entretanto, houve quem comemorasse no período. As revendedoras de carros seminovos e usados registraram expansão entre janeiro e junho, de acordo com levantamento da Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto) divulgado nesta semana. Segundo o balanço, foram comercializados mais de 6,1 milhões de seminovos, incluindo automóveis, comerciais leves e pesados e motocicletas. Em maio, foram vendidas 1.103.156 unidades. Já em junho, esse número caiu para 960.403. Segundo a Feauto, isso aconteceu devido à Copa do Mundo e o período de férias escolares. Ainda de acordo com a federação, a expectativa é que o setor registre um avanço entre 6% e 7% neste ano.

Em Betim, os proprietários de revendedoras também registraram aumento nas vendas de seminovos. “Melhorou um pouco. O movimento está maior, e a perspectiva é que continua assim”,disse o empresário do ramo Edivan Ferreira.

Ainda conforme ele, as pessoas estão tendo mais dificuldades em conseguir crédito. “Os clientes que preferem o veículo seminovo, na maioria das vezes, têm quase o dinheiro todo. Então, por exemplo, se ele quer um carro novo de R$ 30 mil e já tem R$ 20 mil, e encontra um que lhe atende, ele prefere comprar o seminovo, porque financiar o restante ficou muito caro”, disse.

Quem também sentiu o crescimento nas vendas do setor foi o empresário do setor Fernando Lauar. Segundo ele, o aumento foi de cerca de 10% no primeiro semestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2013. “O financiamento para seminovos acabou ficando mais barato para as pessoas”, ponderou.

Desvalorização Ainda conforme Lauar, a rápida perda de valor de veículos novos contribuiu para o aquecimento do mercado. “O carro novo desvaloriza muito mais rápido. Esse foi outro fator que ajudou no crescimento das vendas dos seminovos e usados”, completou.

A funcionária pública Carla de Freitas Barbosa foi uma das pessoas que preferriram comprar um veículo seminovo a adquirir um zero-quilômetro. “Pesquisei bastante e vi que o carro que me atendia perfeitamente estava bem mais barato do que um zero. Então, resolvi comprar um seminovo”, contou.

Ela vendeu o antigo veículo que possuía e deu o valor obtido como entrada. “Dei uma entrada e financiei o restante. Mas os juros do financiamento do seminovo ficaram mais em conta do que se eu fosse um novo”, concluiu a funcionária pública.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave