Justiça limita serviço de crédito e publicidade do BMG a aposentados

Decisão do Tribunal de Justiça impede a oferta de créditos pelo telefone e obriga o emprego de advertências e contrapropaganda em todos os materiais de publicidade

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Banco mineiro tem ampla carteira de empréstimo consignado para aposentados
CHARLES SILVA DUARTE/22.6.2012
Banco mineiro tem ampla carteira de empréstimo consignado para aposentados

Uma decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) impede que o banco BMG alicie possíveis consumidores idosos pelo telefone.

A medida, tomada nessa quarta-feira (16) é uma resposta à ação civil coletiva do Instituto Mineiro de Políticas Sociais e de Defesa do Consumidor (Polisdec), que denunciou a abusividade na concessão de cartões de crédito pelo banco a aposentados e pensionistas, com a oferta de um limite de crédito até duas vezes o valor do benefício, com desconto direto, o que levava ao endividamento dos clientes.

A 11ª Câmara Cível do TJMG estabeleceu também que o banco exiba expressamente em todas as suas publicidades, de qualquer mídia, advertências aos consumidores idosos de cartão de crédito sobre risco de superindividamento decorrente do consumo de crédito.

O banco foi condenado ainda a veicular contrapropaganda aos aposentados e pensionistas do país para desfazer a publicidade enganosa e abusiva. Em caso de descumprimento, o BMG está sujeito a multa diária de R$ 10 mil, limitada em R$ 1 milhão, valor que seria repassado ao Fundo Estadual de Proteção ao Consumidor de Minas Gerais.

Ação civil

A ação solicitou que o banco deixasse de comercializar o cartão de crédito BMG Master com desconto diretamente no benefício e, ao mesmo tempo, que fosse vedada a prática de fazer a contratação por telefone.

A ação também pedia que o BMG parasse de veicular publicidade mostrando idosos felizes com a obtenção do crédito fácil, sem alertar para o risco de endividamento, e que ainda veiculasse contrapropaganda do produto.

O juiz José Maurício Cantarino Villela, da 29ª Vara Cível de Belo Horizonte, não verificou ilegalidade no fornecimento dos cartões de crédito pelo banco, cuja modalidade é autorizada e regulamentada pelo próprio INSS.

A publicidade que mostra idosos felizes com o crédito também não foi considerada abusiva ou ilegal pelo juiz. Em sua decisão, contudo, ele proibiu que a contratação fosse realizada por telefone e determinou que o banco alerte nas publicidades sobre o risco de superendividamento, fixando a multa diária de R$ 10 mil em caso de descumprimento. O pedido de condenação na contrapropaganda foi indeferido.

Recurso de ambas as duas partes

O BMG e o Polisdec recorreram ao TJMG. O banco pediu a revogação da determinação que proíbe a comercialização do produto por telefone, alegando que não há contratação por esta forma, mas “apenas fornecimento de informações relativas ao produto”.

Por outro lado, a Polisdec requereu a condenação do banco na penalidade da contrapropaganda, “como meio de desfazer os malefícios da publicidade por omissão, determinando que o banco informe de forma clara e ostensiva aos consumidores sobre o risco de superendividamento decorrente do uso do produto e do comprometimento da renda”.

O desembargador Wanderley Paiva, relator do recurso, concluiu que o banco “agiu ilicitamente ao conceder empréstimos com descontos em benefícios previdenciários pela via telefônica”, motivo pelo qual confirmou a determinação do juiz de primeiro grau de que se abstivesse desse procedimento.

Com relação à publicidade, o relator afirmou que, conforme determina o Código de Defesa do Consumidor, “a informação correta e precisa acerca do produto oferecido é condição imprescindível ao respeito à transparência da relação contratual”.

Para ele, a prova trazida aos autos demonstra a desobediência do banco ao princípio da transparência, “indicando que os consumidores foram induzidos a erro ao pretenderem contratar empréstimos”. Segundo o relator, apesar da modalidade do cartão de crédito oferecido ser autorizada e regulamentada, “a publicidade torna-se enganosa por omissão, por constar apenas as facilidades para aquisição e utilização, sem, contudo, advertir sobre os riscos inerentes”.

A determinação de que seja incluído alerta nas propagandas veiculadas pelo banco foi mantida, mas o relator entendeu que isso não é suficiente para evitar danos aos consumidores. Ele acolheu o pedido da Polisdec, determinando que o banco veicule também a contrapropaganda, para possibilitar o esclarecimento aos consumidores que acaso ainda estejam iludidos sobre os serviços ofertados pela instituição bancária, ainda que ela não veicule mais publicidade do produto, minimizando danos futuros.

Os desembargadores Alexandre Santiago e Mariza de Melo Porto acompanharam o relator.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave