Empresas aéreas desviarão voos do leste da Ucrânia

O avião da Malaysia Airlines ia de Amsterdã para Kuala Lumpur, mas caiu na região ucraniana de Donetsk, em uma área controlada pelos separatistas pró-Rússia

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

As companhias aéreas Lufthansa, Air France e Turkish Airlines informaram que vão evitar o espaço aéreo do leste da Ucrânia. O anúncio ocorreu pouco depois de um avião da Malaysia Airlines ter caído no local, motivando especulações de que ele teria sido derrubado por separatistas que atuam na região.

"A Air France está monitorando a situação em tempo real e tomou a decisão de não voar sobre o leste da Ucrânia desde que tomou conhecimento do acidente", disse um porta-voz da companhia francesa. Ele acrescentou que a empresa já vinha evitando a região da Crimeia, cuja soberania vem sendo disputada por Ucrânia e Rússia.

A Lufthansa, por sua vez, disse ter decidido adotar "desvios de longo alcance do leste da Ucrânia" com início imediato. Segundo a companhia, quatro voos serão afetados pela decisão somente nesta quinta-feira. "A segurança dos nossos passageiros é a maior prioridade", disse a Lufthansa. Outra companhia aérea, a KLM, também adotou a mesma medida.

No Reino Unido, o Departamento de Transporte emitiu um comunicado avisando que os voos estão sendo desviados do Leste da Ucrânia por controladores de tráfego aéreo e um alerta já foi enviado para pilotos ao redor do mundo orientodo-os a evitar a zona que é divisa entre a Rússia e Ucrânia. 

O avião da Malaysia Airlines ia de Amsterdã para Kuala Lumpur, mas caiu na região ucraniana de Donetsk, em uma área controlada pelos separatistas pró-Rússia. O primeiro-ministro da Ucrânia, Arseni Iatseniuk, ordenou a criação de uma comissão especial para investigar a queda do avião, que foi confirmada pelo serviço de tráfego aéreo do país. Representantes do governo ucraniano chegaram a dizer que o avião teria sido derrubado por rebeldes.

A Malaysia Airlines informou, por meio de sua conta no microblog Twitter, que perdeu contato com a aeronave, que fazia o voo MH17 quando ela sobrevoava o espaço aéreo ucraniano. A empresa confirmou que o avião, um Boeing 777, levava 280 passageiros e 15 tripulantes.