Túnel de 350 m é achado na fronteira com Paraguai

Escavação estava a 7 m de distância do cofre de uma empresa de transporte de valores

iG Minas Gerais |


Sofisticação do túnel lembra caso do roubo ao Banco Central em 2005
Policia Nacional do Paraguai / D
Sofisticação do túnel lembra caso do roubo ao Banco Central em 2005

Foz do Iguaçu. Um túnel de 350 m de extensão, com direito a sistema telefônico, trilho para carrinho e cilindros de oxigênio, foi descoberto na cidade paraguaia de Ciudad del Este, na região da fronteira com Foz do Iguaçu (PR). A escavação, que estava a 7 m de distância do cofre de uma empresa de transporte de valores, foi encontrada pela polícia paraguaia na madrugada da última segunda-feira.

A Polícia Federal brasileira suspeita de envolvimento de membros da facção criminosa PCC na ação. Seis paraguaios foram presos, e um brasileiro integrante da quadrilha ainda estava foragido até a noite dessa quarta.

Além da hipótese de o PCC ter assessorado ou até financiado a ação, a PF também apura se houve a participação de algum envolvido no assalto milionário ao Banco Central de Fortaleza, em 2005, o maior furto já ocorrido no país, de R$ 164,8 milhões. Segundo o delegado chefe da PF em Foz, Ricardo Cubas César, o caso do Banco Central foi lembrado por causa da sofisticação do túnel encontrado em Ciudad del Este.

A investigação está sendo conduzida pela polícia paraguaia. Mas, diante de indício da participação de brasileiros, a PF brasileira foi convidada a analisar o túnel e a colaborar com o caso.

COPA. O túnel foi aberto a partir de uma casa, pertencente a um paraguaio, mas que foi alugada por um brasileiro. O imóvel fica perto da empresa Prosegur, que trabalha com transporte de valores. O plano da quadrilha era aproveitar a final da Copa do Mundo, no último domingo, para explodir o cofre e concretizar o roubo.

Durante a partida entre Alemanha e Argentina, os ladrões fizeram uma explosão dentro do túnel. Para disfarçar o barulho, soltaram rojões. Mas, segundo o delegado da PF, houve um erro de cálculo. “Eles acharam que já estavam perto do cofre, mas ainda faltavam 7 m (de escavação)”.

Funcionários da empresa perceberam que o chão do estacionamento ao lado havia cedido e, desconfiados, chamaram a polícia.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave