Candidatos defendem concurso

Os dois candidatos também divergiram sobre o tratamento dado aos servidores públicos estaduais em Minas

iG Minas Gerais | Isabella Lacerda e Larissa Arantes |

Crítica. Pimentel chamou o governo estadual de “irresponsável” pela situação em que se encontram os servidores estaduais atingidos pela Lei 100
FLICKR / DIVULGACAO
Crítica. Pimentel chamou o governo estadual de “irresponsável” pela situação em que se encontram os servidores estaduais atingidos pela Lei 100

O candidato que for eleito governador de Minas Gerais terá que resolver, em menos de um ano, o destino dos servidores do Estado atingidos pela Lei 100, considerada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Nesta quarta, Fernando Pimentel (PT) e Pimenta da Veiga (PSDB) afirmaram que a única solução para o problema é a realização de concurso público para efetivação dos funcionários que, em 2007, foram beneficiados pela regra, situação que pode gerar milhares de demissões. O petista chamou o governo do PSDB de “irresponsável” por colocar famílias em instabilidade. Apesar de confirmar que irá convocar concursos, Pimentel disse que pretende buscar alternativas para “não deixar servidores no abandono”. “Não sei qual é a solução, mas vou pedir às entidades representativas dos servidores que nos ajudem a achar uma solução jurídica”, destacou, em encontro com integrantes do Fórum de Defesa dos Direitos dos Servidores. Já o candidato tucano saiu em defesa da atual administração estadual e afirmou que, se a Lei 100 vigorou, é porque contou com o apoio dos deputados do PT. “Os irresponsáveis são os deputados do PT que votaram? A verdade é uma só. O que existe agora é uma decisão do Supremo, que tem ser respeitada, e é preciso encontrar um caminho”, rebateu nesta quarta em coletiva no comitê central de campanha. Pimenta ainda negou que sejam 90 mil funcionários atingidos pela lei. RELAÇÃO. Os dois candidatos também divergiram sobre o tratamento dado aos servidores públicos estaduais em Minas. Pimenta defendeu “um amplo e constante diálogo” com os sindicatos, mas ponderou a necessidade de cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal, que limita os gastos com o funcionalismo. Pimentel, porém, disse que a administração é “cruel” com a categoria e prometeu negociar a paridade salarial entre ativos e aposentados.

Pimentel Aposentados. Fernando Pimentel (PT) prometeu nesta quarta rever a situação dos servidores aposentados em Minas e enviar, caso seja eleito, um projeto para a Assembleia de Minas criando a possibilidade de reconvocar aqueles que desejarem voltar ao serviço público.  Transporte. A antiga polêmica sobre as obras no Anel Rodoviário entrou na pauta da campanha. O petista acusou o governo do PSDB de não “dar conta” de elaborar o projeto para a reforma. “Agora vai retornar para o Dnit, e o governo federal vai fazer”, disse.

Pimenta

Farpas. Pimenta da Veiga (PSDB) também criticou a postura do adversário petista. “Ele (Pimentel) não está querendo falar sobre a candidatura da Dilma porque ele sabe que é um ônus”, acusou.  Iniciativa. Depois da coletiva de imprensa na capital, Pimenta da Veiga (PSDB) seguiu para Montes Claros, no Norte de Minas, para lançamento da campanha na região. Oficial. Em cada viagem, a campanha tucana prepara material específico para a região com vídeos e itens impressos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave