Fundos mantêm liderança sobre poupança com Selic a 11% ao ano

A caderneta perde para os fundos de renda fixa que têm taxa de administração até 1,5% ao ano

iG Minas Gerais | Da redação |

Com a decisão do Banco Central de manter o juro básico (a taxa Selic) em 11% ao ano nesta quarta-feira (16), os fundos de renda fixa continuam ganhando da poupança na maioria dos cenários desenhados, considerando prazos de resgate e valores de taxas de administração distintos.

A estimativa é da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade).

Mesmo com o leve aumento da TR (Taxa Referencial) média, que compõe a remuneração da poupança, para 0,05 ponto percentual em julho, a caderneta perde para os fundos de renda fixa que têm taxa de administração até 1,5% ao ano, independentemente do prazo de resgate dos recursos.

A caderneta ganha dos fundos que têm taxa de administração de 2% ao ano quando o resgate for feito em até seis meses. Acima desse prazo, é desvantajosa.

Nos fundos com taxa de administração de 2,5%, o rendimento da poupança é maior quando o resgate é feito em até dois anos. O investidor que optou pela caderneta perde para os fundos se deixar os recursos aplicados por mais de dois anos.

Quando a taxa de administração sobe para 3% ao ano ou mais, a caderneta rende mais que os fundos em qualquer prazo de resgate.

Vale destacar que, ao longo de 2013, os fundos de renda fixa que têm em sua carteira títulos públicos prefixados -cuja taxa de retorno é definida no momento da compra- foram prejudicados pelo aumento do juro básico.

Muitos deles sofreram no ano passado com a chamada marcação a mercado, que atualiza diariamente o valor do título pela diferença entre a taxa de juro do momento e a de emissão do papel.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave