Brasil exalta força russa antes de duelo na Liga Mundial

Adversário desta quinta-feira já derrotou seleção em Londres 2012 e na última edição da competição

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Ciente de que reencontrará carrasco, Bernardino elogia atuais campeões do torneio
Alexandre Arruda/CBV
Ciente de que reencontrará carrasco, Bernardino elogia atuais campeões do torneio

A seleção brasileira masculina de vôlei enfrentará a Rússia nesta quinta-feira, às 12h30 (horário de Brasília), em Florença, na Itália, em seu jogo de estreia na fase final da Liga Mundial. Embora seja o maior vencedor da história da competição, com nove títulos, os jogadores do Brasil e o técnico Bernardinho sabem que o rival jogará como favorito.

Um dia antes do confronto, os atletas do time nacional e o comandante exaltaram a força dos russos, que são os atuais campeões olímpicos e da própria Liga Mundial, batendo justamente os brasileiros na decisão dos Jogos de Londres de 2012 e depois na final da edição passada do torneio no qual os brasileiros buscavam o seu décimo título.

O levantador Bruno aposta que o Brasil tem condições de derrotar os russos, mas não esconde que o adversário hoje está em um estágio superior no cenário do vôlei mundial. "O nosso time treinou muito bem essa semana e chega forte para a fase final. Já conhecemos a Rússia que, para mim, é a melhor equipe do mundo hoje. São os atuais campeões olímpicos e da Liga Mundial, foram segundo colocados na Copa dos Campeões e é um time muito forte", afirmou o jogador, para em seguida já projetar o duelo que o Brasil fará sexta-feira, pelo Grupo I da fase final.

"Depois, na sexta, ainda temos o Irã, que é o time que mais evoluiu nos últimos anos e vem se tornando uma força no cenário mundial. São duas partidas muito complicadas, mas o nosso time vem embalado para não temer nenhum adversário”, assegurou.

Bernardinho, por sua vez, enfatizou que "a Rússia é a equipe a ser batida neste momento" e deixou claro que, mais importante do que derrotar o adversário, será avançar às semifinais. "Temos uma tabela que, se tudo der certo, serão quatro jogos seguidos (já contando a semifinal e a final). Precisamos ter a sabedoria de buscar os dois primeiros resultados para conseguir a classificação. Sabemos da qualidade e da força da Rússia, é uma equipe que joga na continuidade, além do saque e do bloqueio que culturalmente, é algo muito forte no time deles. Queremos ganhar, claro, mas o mais importante é a classificação", disse o treinador, para depois enfatizar: "Nós queremos estar na final, contra quem quer que seja".

O central Lucão foi outro que enalteceu o poderio dos russos, mas lembrou que o Brasil agora está mais preparado do que em outras ocasiões para desbancar o favoritismo do adversário. "Mais uma vez encontramos a Rússia pelo caminho. O histórico recente é favorável a eles, mas isso não quer dizer nada quando o jogo começa. Esse período de treinos foi muito importante física e principalmente tecnicamente. Além disso, estudamos mais ainda os russos. Vamos fazer de tudo para vencer essa partida", prometeu o jogador, que ainda disse acreditar que "todo o trabalho árduo da primeira fase será recompensado agora".

A fase final da Liga Mundial começará a ser disputada nesta quarta-feira com dois jogos. No primeiro deles, a própria Rússia irá enfrentar o Irã, às 12h30 (de Brasília), na abertura do Grupo I. Em seguida, às 15h30, a Itália, anfitriã da fase final, pegará os Estados Unidos na primeira rodada do Grupo H, que nesta quinta terá o confronto entre os norte-americanos e a surpreendente Austrália.

Leia tudo sobre: seleção basileiravôleirússiabrasilliga mundialcarrascolucãoirãbernardinho