Aécio diz que 'medidas impopulares' são tomadas pelo governo atual

Em abril, o tucano havia afirmado, em jantar para empresários que "se o preço a pagar" para fazer "reformas necessárias" era a impopularidade, ele estaria preparado para tomar esse tipo de decisão

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Segundo Aécio, se eleito, ele não governaria
Reinaldo Canato/UOL/Folhapress
Segundo Aécio, se eleito, ele não governaria "com olhos na curva da popularidade"

O senador mineiro Aécio Neves, candidato a presidente pelo PSDB, inverteu o discurso sobre "medidas impopulares" que tomaria caso eleito e disse que "o governo atual" é que tem tomado esse tipo de decisão. Em abril, o tucano havia afirmado, em jantar para empresários que "se o preço a pagar" para fazer "reformas necessárias" era a impopularidade, ele estaria preparado para tomar esse tipo de decisão.

Aécio participa de sabatina promovida pela "Folha de S.Paulo", "UOL", "Jovem Pan" e "SBT" nesta quarta-feira (16), no Teatro Folha, em São Paulo. Questionado pelos jornalistas, Aécio não negou que tenha dito a frase, mas afirmou que a fala "está virando lenda" e que "o que tem dito em todos os encontros" é que vai tomar "as medidas necessárias para retomar o Brasil no rumo do crescimento".

"O mal, as medidas impopulares, estão sendo feitas por esse governo. O Brasil vive um processo de estagflação, de crescimento pífio, com inflação ultrapassando o teto da meta sem que o governo acene de forma absolutamente clara sobre medidas que tomaria no futuro para reverter esse quadro perverso", disse.

Segundo Aécio, se eleito, ele não governaria "com olhos na curva da popularidade". De acordo com o tucano, de 2003 a 2008, o governo Lula teve um "período raríssimo" na economia, com um presidente com alta popularidade, mas não teve "coragem" de fazer as reformas que precisava.

Leia tudo sobre: Eleições 2014PolíticaAécio NevesPSDBSabatinaSão PauloBrasil