A bola em outros campos

iG Minas Gerais |

Em sua última crônica antes de o Brasil estrear na Copa do Mundo, em 1958, Nelson Rodrigues, indignando-se contra o pessimismo das ruas, cunhou um chiste famoso, o “complexo de vira-lata”. Arrematava a explicação: “o brasileiro precisa se convencer de que não é um vira-lata e que tem futebol para dar e vender lá na Suécia”. O dito do nosso maior dramaturgo há tempos abandonou os vãos da nossa alma futebolística para fazer eco em outras arquibancadas, principalmente nos ambientes palacianos dos governantes. A fantasia, a improvisação e a invenção, matérias-primas que, por anos a fio, sedimentaram as bases da “pátria em chuteiras” (outra expressão de Nelson) e jorraram com abundância nos dutos da catarse social, hoje não passam de arremedos infrutíferos. Pouco adiantará apontar culpados, ensaiar jogadas recíprocas de acusações, tatear nas margens das questões que o futebol suscita, a partir do reconhecimento de que suas técnicas evoluíram, priorizando os conceitos da força do conjunto, da celeridade, do preparo psicológico, de táticas e estratégias específicas para cada adversário. Já se prega a urgência de um choque de gestão no futebol brasileiro, o que implicaria a oxigenação nas cúpulas da cartolagem, a busca de perfis adequados aos contextos de competitividade e o fim do ciclo até então vivido pela seleção. Pode ser um caminho. Mas não se espere que mexer com uma pedra do tabuleiro será suficiente para conduzir o nosso futebol aos primeiros lugares do ranking mundial. Ele é parte de um todo, não um fio separado do rolo. O ethos nacional é mescla de hábitos, costumes, atitudes, visões, história e tradição. Essa radiografia valorativa, porém, não comporta apenas a planilha de coisas bonitas, conforme se pode depreender de uma olhada na estética das ruas durante a Copa. Abriga aspectos nem sempre alinhavados pelas lupas sociológicas, como o desleixo, a individualidade, a desorganização, enfim, o cenário que tende a propiciar atos de selvageria. Nesse ponto, convém puxar o papel do poder público para a harmonização social. Trata-se de dever inalienável da administração do Estado cuidar para suprir as demandas dos contingentes socais na esfera do cotidiano. Daí a importância de um choque geral de gestão. A escorchante e vergonhosa derrota para a Alemanha pode abrir o encontro do Brasil com suas realidades. Passar uma camada de tinta sobre o nosso futebol, deixando o reboco mofado sobre as paredes da saúde, educação, segurança pública, transporte, enfim, continuar a encobrir a paisagem torta das ruas é perpetuar o estado de carências. O futebol é apenas um eixo da roda da diversão nacional. A respeito dele, sem querer esmaecer o conceito de negócio que o transforma em atividade das mais lucrativas do mundo do espetáculo, urge que promova maior correspondência entre os salários de jogadores e suas atuações. \] O clamor das galeras expressa o desempenho da equipe: “falta raça, sobra ração ($)”. E muita exibição. Estrelas do Olimpo, os nossos atletas até parecem sofrer do “complexo do pavão”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave