Arquivo Burns: dedicado à ciência que já foi esquecida

Mais de 1 milhão de imagens da história da medicina e do “lado sombrio da vida

iG Minas Gerais | Jennifer Schuessler |

O Arquivo Burns pode ser uma das mais importantes coleções de fotografias do país, mas a estética de sua antiga sede, um triplex de 19 salas em Manhattan, está mais para a série de documentário “Acumuladores” do que para o Museu de Fotografia George Eastman. Mais de 1 milhão de imagens da história da medicina e do “lado sombrio da vida” – palavras do criador do arquivo, o médico Stanley Burns – compõem a coleção.

O “museion” de Burns é um lugar para estimular as pessoas. “Todos adoram”, disse ele, mencionando uma ilustre senhora que “veio para passar 15 minutos e ficou seis horas” passeando pelas fotos da história de Nova York, imagens raras do início da história das cirurgias e até um papel de parede que mostra retratos de daguerreótipos emoldurados.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave