Polícia indicia advogado de executivo de empresa parceira da Fifa

Fernando Fernandes foi indiciado por favorecimento pessoal por ter, segundo a polícia, facilitado a fuga do empresário

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

O advogado Fernando Fernandes que defende o diretor-executivo da empresa Match, Raymond Whelan, foi indiciado por favorecimento pessoal por ter, segundo a polícia, facilitado a fuga do empresário, na semana passada, do hotel Copacabana Palace, na zona sul do Rio. Whelan é suspeito de integrar uma quadrilha de venda ilegal de ingressos da Copa.

Após aguardar pelo comparecimento de Fernandes na delegacia, por duas vezes, para prestar os esclarecimentos, o delegado Fábio Barucke decidiu indiciá-lo de forma indireta, o que acontece nas situações em que o suspeito não é localizado e a polícia não sabe onde ele se encontra. Quando isso ocorre, o delegado imputa a essa pessoa a responsabilidade pelo cometimento do crime sob investigação.

A polícia informa que o delegado facilitou a fuga de Whelan, na semana passada. O britânico se apresentou ontem no Tribunal de Justiça do Rio e foi levado para o presídio de Bangu 10.

Procurado, Fernandes não foi localizado pela reportagem. Dois funcionários do Copacabana Palace, tradicional hotel da zona sul do Rio, prestaram depoimento na 18ª DP do Rio (Praça da Bandeira, zona norte) sobre o caso da fuga de Whelan. Foram ouvidos pela polícia o segurança Euclides da Silva Rodrigues e o gerente operacional do hotel, Miguel Fragoso Mendes Garcia. O segurança falou na segunda (14) e o gerente operacional prestou depoimento nesta terça (15).

Ambos se eximiram de responsabilidade pela fuga, dizendo que o hotel tem como regra permitir a entrada ou a saída de hóspedes por qualquer um dos sete acessos do prédio, desde que ele se identifique.

De acordo com o inspetor-chefe da delegacia, Vicente Barroso, o Copacabana Palace colaborou com as investigações e não será mais intimado a prestar depoimento.

Na sexta (11), Fernando Fernandes informou que, como advogado, tem a prerrogativa de defender o seu cliente. "Tenho imunidade profissional e estamos tomando as medidas", disse o advogado.

Leia tudo sobre: Copa do Mundofutebolesportemafia ingressos