Comida, Mineirão e transporte público são destaques mineiros na Copa

Segundo Secretaria de Esportes e Turismo, estrangeiros gastaram mais de R$ 2 bi no período da Copa e fizeram passeios culturais e gastronômicos

iG Minas Gerais | DÉBORA FERREIRA |

ESPORTES BH MG: ACOMPANHAMOS TORCEDORES ASSISTINDO A FINAL DA COPA DO MUNDO NA SAVASSI. na foto:

FOTO: DENILTON DIAS / O TEMPO / 13.07.2014
DENILTON DIAS / O TEMPO
ESPORTES BH MG: ACOMPANHAMOS TORCEDORES ASSISTINDO A FINAL DA COPA DO MUNDO NA SAVASSI. na foto: FOTO: DENILTON DIAS / O TEMPO / 13.07.2014

Os turistas estrangeiros acharam que Belo Horizonte estava mais preparada para a Copa do que todas outras capitais e querem voltar. Pelo menos foi o que constatou uma pesquisa feita pela Secretaria de Estado de Turismo e Esportes (Esportes), feita com 1.116 pessoas durante a disputa do Mundial. Deste total, 58% dos torcedores estiveram em mais de uma sede, e 31% elegeram a cidade mineira como a melhor, deixando para trás o Rio, com 25% e Fortaleza, com 12%.

Entre as atrações mineiras, destaque para a gastronomia local. Nos dados oficiais divulgados, mais de 900kg de pão de queijo e 3,5 toneladas de tropeiro foram vendidos na Fan Fest. O evento no Expominas também foi exaltado por não ter nenhuma ocorrência grave de segurança ou de saúde. O  local recebeu mais de 250 mil pessoas e teve casa lotada em cinco dias.

Palco dos duelos, o Mineirão também foi muito bem avaliado. “O gramado do Mineirão estava em perfeitas condições em todos os jogos. Houve uma decisão de não fazer o treino de reconhecimento em alguns casos, mas foi uma precaução em vista do número de jogos recebidos na primeira fase (quatro)”, explicou o secretário Tiago Lacerda.

A esperança dos órgãos públicos é, inclusive, que o estádio e a mobilidade urbana em dias de jogo devem deixar um legado estrutural na cidade. “O controle de acesso foi evoluindo e no jogo da semifinal foi quase uma perfeição. Espero que esse uso do transporte público seja uma mudança para os jogos no dia a dia do Mineirão. Isso permitiu uma maior mobilidade para as pessoas em um intervalo menor de tempo”, avaliou Camillo Fraga, da Secretaria Municipal Extraordinária para a Copa do Mundo.

Mas não é só de heranças materiais que a cidade espera se beneficiar. Fraga também chama a atenção para os números da Savassi, que se tornou um point para os gringos: cerca de 200 mil pessoas passaram pelo local, em dez dias.

“Este é o legado cultural da cidade. A região contou com 58 eventos sendo promovidos durante a Copa. É o legado imaterial, que teve opções para todos os tipos de gostos”, explicou ele.