Maioria das pesquisas usa células adultas depois do iPS

Células-tronco de embriões humanos são de grande interesse para a ciência, principalmente sobre diferenciação celular e desenvolvimento embrionário

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Células-tronco da pequena Sarah não são compatíveis com a irmã Júlia que tem leucemia
Andre Penner/Associate d Press
Células-tronco da pequena Sarah não são compatíveis com a irmã Júlia que tem leucemia

A maioria das pesquisas com células-tronco no Brasil é feita com células adultas - obtidas, por exemplo, da medula óssea ou de tecido adiposo - ou com células de pluripotência induzida (iPS) - geneticamente reprogramadas para se comportarem como células embrionárias, com capacidade para se diferenciar em qualquer tipo de tecido do organismo. São alternativas que evitam as complicações éticas de trabalhar com células de embriões humanos cuja demanda foi bastante reduzida nos últimos sete anos, após a invenção das iPS.

"Não trabalho com células embrionárias", diz a geneticista Mayana Zatz, pesquisadora do Instituto de Biociências da USP e coordenadora do Instituto Nacional de Células-tronco em Doenças Genéticas Humanas, que trabalha principalmente com células-tronco adultas.

"Desconheço laboratórios de pesquisa no Rio que tenham usado embriões humanos para pesquisa", disse Stevens Rehen, pesquisador da UFRJ e coordenador da Rede Nacional de Terapia Celular do Ministério da Saúde.

Interesse - As células-tronco de embriões humanos continuam sendo de grande interesse para a ciência, principalmente para pesquisas básicas sobre diferenciação celular e desenvolvimento embrionário. Elas ainda são consideradas as células "padrão ouro", usadas como referência para pesquisas com iPS e outros tipos de células pluripotentes. Para fins de aplicação em terapia celular, porém, as iPS são as mais promissoras atualmente. As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave