A sucessão do Felipão, e os nomes mais cotados

iG Minas Gerais |

Luiz Felipe Scolari tentou se segurar no cargo, mas viu que não tinha mais jeito. A rejeição a ele é gigante. Não teve a mesma dignidade de tantos outros treinadores, não só brasileiros como estrangeiros, que, depois de derrotados, deram a missão por cumprida e entregaram os cargos imediatamente, na expectativa de que um outro treinador cumprisse melhor a missão. Especulações Agora começa a temporada de especulações em relação ao seu sucessor. Os mesmos nomes de sempre são falados: Tite e Muricy, com mais intensidade. Num desses canais pagos, vi um dos comentaristas defendendo os nomes de Marcelo Oliveira e Cuca. Marcelo e Guardiola Entre todos os brasileiros que estão na moda, o único que seria novidade realmente é o Marcelo, que ainda não está contaminado pelos mesmos vícios dos colegas que formam uma espécie de clube de ação entre amigos. Além da competência para saber mesclar jogadores jovens com experientes. Um estrangeiro da prateleira de cima também seria bem-vindo. Guardiola Fala-se em Pep Guardiola, mas será que justificaria a fortuna para tirá-lo do Bayern de Munique? Ele ganha lá R$ 55 milhões por ano. Obviamente, não viria pelo mesmo salário, e a CBF ainda teria que pagar a multa rescisória. Já assumiria a seleção com essa polêmica para driblar: um país pobre, de clubes endividados, gastando os tubos com um treinador. Aguardemos! Ultrapassados Mais evidências do péssimo trabalho de Scolari, Parreira e companhia à frente da seleção: o meia-atacante Oscar foi o jogador que mais desarmou na Copa, segundo a Fifa. Fez 30 desarmes, seguido por um zagueiro holandês. Um jogador de criação com a missão de marcar enquanto faltava criatividade ao ataque brasileiro. Jogo limpo Grande parte da imprensa brasileira embarcou na onda da comissão técnica da seleção que queria punição para o Zuñinga, defensor colombiano que acertou o Neymar. Pois a Colômbia ganhou o Troféu Fair-Play, ou seja: jogo limpo, como a seleção menos violenta do Mundial. A entrada que tirou o Neymar da Copa foi dura, mas comum, sem intenção do colombiano de machucar o brasileiro. Muito mais   As TVs pagas repetem a todo instante os melhores jogos da Copa, e quem tiver paciência que veja os melhores momentos de Brasil x Colômbia. A estrela colombiana, James Rodriguez, apanhou mais que todos em campo, inclusive mais que Neymar. Roubar pode   A Fifa e suas incoerências suspeitas: puniu exageradamente o atacante Luis Suárez, do Uruguai, pela mordida, e não atendeu os apelos para reduzir a pena. Mas saiu em defesa do inglês chefe da quadrilha que vendia ingressos no câmbio negro, já que ele é sócio de parentes de cartolas fortes da entidade. A volta A partir desta quarta-feira tudo começa voltar ao normal no futebol brasileiro, com os representantes mineiros voltando a jogar no Brasileiro das Séries A e B, além do Atlético decidindo a Recopa com o Lanús da Argentina. O Galo vai enfrentar um velho conhecido em um estádio onde o pau costuma quebrar dentro e fora de campo para cima dos visitantes. Foi lá que Emerson Leão tomou a maior surra da vida dele, com direito a maxilar fraturado e alguns pinos que estão no rosto dele até hoje. Era o técnico do time que foi campeão da Copa Conmebol em 1997. O Atlético venceu lá, por 4 a 1, e empatou no Mineirão por 1 a 1.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave