Admirados com o Brasil, russos prometem surpresas na Copa de 2018

Organizadores do Mundial de 2018 estiveram no Brasil analisando, tirando lições e ideias para a próxima edição do evento

iG Minas Gerais | THIAGO NOGUEIRA |

Rio de Janeiro. A bola agora está com a Rússia. Nesta segunda-feira, o Comitê Organizador Local (COL) pôde falar, pela primeira vez, como os detentores do compromisso de realizar a próxima edição da Copa do Mundo, em 2018. Eles prometem manter o padrão brasileiro, além de apresentar algumas surpresas. “Passamos 40 dias aqui e estamos impressionados. Mesmo com a derrota (do Brasil), a atmosfera foi inigualável. Estávamos com mais de 100 pessoas das nossas sedes, como donos dos estádios. Teremos muita obrigação, mas boas surpresas para compartilhar”, avisou o CEO do COL russo, Alexey Sorokin. Assim como o Brasil, a Copa da Rússia tem 12 estádios pré-selecionados para receber o torneio, mas o presidente da Fifa, Joseph Blatter, admitiu nesta segunda-feira que esse número pode ser alterado. “Aqui, aprendemos algo. No começo tínhamos 17 estádios, e convencemos os brasileiros a reduzir para 12. Ainda estamos discutindo qual é o número ideal para manter a organização manejável e não chegarmos a situações como na África do Sul em que não se usam três estádios. Em setembro, teremos uma reunião para avaliar se 12 é o número correto”, ponderou.

Leia tudo sobre: Copa do Mundorussa2018brasilcolpreparaçãofutebolestadiosedesorganização