Seleção argentina é aplaudida na volta e se encontra com presidente

Ônibus dos portenhos foi recebido na estrada por milhares de torcedores, que também se manifestaram no aeroporto

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Torcida argentina fez festa para grupo vice-campeão e lotou as ruas no caminho ao prédio da AFA
Twitter/Reprodução
Torcida argentina fez festa para grupo vice-campeão e lotou as ruas no caminho ao prédio da AFA

Aparentemente abatidos, os jogadores da seleção argentina foram recebidos com aplausos por torcedores no desembarque no aeroporto de Ezeiza, nos arredores de Buenos Aires, na manhã desta segunda-feira (14), depois do vice-campeonato da Copa do Mundo.

Os atletas evitaram falar com a imprensa ao deixar o avião. O volante Javier Mascherano, um dos poucos que falaram, disse que teria preferia voltar "de outra maneira". Na pista do aeroporto, eles entraram no ônibus ouvindo aplausos e gritos dos funcionários.

O ônibus da seleção foi recebido na estrada por milhares de torcedores e avançava muito lentamente em direção ao prédio da Associação Argentina de Futebol, que fica na mesma cidade de Ezeiza.

Os torcedores gritavam o nome do país e se mostravam satisfeitos mesmo com a derrota sofrida para a Alemanha, no Maracanã, Rio.

Depois, os jogadores foram recebidos pela presidente Cristina Kirchner no prédio da associação de futebol. Ela abraçou o técnico Alejandro Sabella efusivamente, e, depois, cada um dos jogadores.

"Aqui estão nossos garotos. Não sou torcedora de futebol, mas tenho sempre a camiseta da Argentina e ontem senti muito orgulho de como defenderam as cores do país", afirmou a presidente ao lado do atacante Messi, que se esforçava para não fixar os olhos em nenhum lugar.

"Alguns criticavam nosso goleiro, que era reserva, mas ele agarrou dois pênaltis [nas semifinais, contra a Holanda]", lembrou Cristina, que puxou o goleiro Sérgio Romero para falar.

Messi falou rapidamente. Afirmou que, mesmo com o vice, conseguiram dar uma alegria ao país. Cristina puxava os jogadores para falar e dizia que é mais fácil do que no campo. "Venham, venham, não fujam", pedia. "Di María, onde está, as garotas que pedem?", brincou.

Leia tudo sobre: argentinachegadacopa do mundoatletasseleçãopresidentecristina kirchnersabellamessidi maría