Dieta mediterrânea e perda de peso são aliadas do fígado

Cardápio rico em frutas, hortaliças e cereais regulam o organismo

iG Minas Gerais | Anahad O’connor |

Alimentação. Dieta mediterrânea é rica em peixes, deixando de lado carnes vermelhas e gorduras de origem animal
James Rajotte/The New York Times - 9.9.2012
Alimentação. Dieta mediterrânea é rica em peixes, deixando de lado carnes vermelhas e gorduras de origem animal

Nova York, EUA. O leitor pergunta: “Meu filho tem 22 anos e gordura no fígado. Que tipos de alimentos ele deve evitar?” O acúmulo de gordura no fígado, ou esteatose hepática, é uma doença que está intimamente ligada à crise de obesidade, é um fator decisivo de risco para o desenvolvimento de problemas cardíacos e diabetes tipo 2, e, em casos mais graves, pode levar ao colapso do órgão. Não há dieta “oficial” relacionada ao seu tratamento, mas a possibilidade de que certos alimentos possam estimular a doença é um fator que vem atraindo a atenção dos cientistas.

Geralmente se recomenda evitar os alimentos muito processados, fáceis de consumir em grandes quantidades, quase sempre pobres em fibras e nutrientes. Estudos preliminares até agora mostraram que quem sofre do mal responde bem à dieta mediterrânea.

O cardápio mediterrâneo é rico em frutas, hortaliças, cereais, oleaginosas (amêndoas, nozes), peixes, leite e derivados, vinho, azeite de oliva e ervas. Além disso, nessa dieta é baixo o consumo de carnes vermelhas, gorduras de origem animal, produtos industrializados e alimentos ricos em gordura e açúcar.

Entretanto, o único método comprovado de reduzir o nível de gordura no fígado é a perda de peso. O médico pede um emagrecimento inicial de pelo menos 10% do peso corporal, controle do consumo de fast-food e exercícios regulares.

Vilões. Os pesquisadores sugerem que certos elementos – como a gordura trans, os óleos ômega-6, as frituras e a frutose, entre outros – sejam os grandes vilões, mas, entre eles, talvez o que mais chame a atenção seja o açúcar, em parte porque seja metabolizado no fígado e faça aumentar o nível dos triglicérides no sangue, que também são um tipo de gordura.

Estudos sugerem que o consumo contribua para o acúmulo de gordura no fígado, e há dados que indicam que pessoas que possuem variantes genéticas associadas à esteatose hepática são ainda mais sensíveis ao aumento de gordura no fígado resultante de açúcar e carboidratos refinados.

Os médicos aconselham cortar as bebidas doces, mas alguns afirmam que quem sofre da doença geralmente está consumindo calorias excessivas de todo tipo.

Números

20% dos brasileiros têm problema de gordura no fígado.

70% das pessoas com esteatose hepática são obesas.

17% dos brasileiros são obesos e 51% têm sobrepeso.

Flash

Prevenção. Entre as formas de prevenir o acúmulo de gordura no fígado estão a manutenção de dieta saudável e do peso ideal, bem como atividade física constante.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave