Maracanã menos amarelo, mas não menos brasileiro

Anfitrião não se sagrou campeão e estádio do Rio estava tomado pela torcida dos rivais deste domingo

iG Minas Gerais | THIAGO NOGUEIRA |

ESPORTES - RIO DE JANEIRO RJ - BRASIL - 13.7.2014 - COPA DO MUNDO FIFA 2014 - ARGENTINA x ALEMANHA no Estadio Maracana no Rio de Janeiro RJ.
Foto: Douglas Magno / O Tempo
douglas magno
ESPORTES - RIO DE JANEIRO RJ - BRASIL - 13.7.2014 - COPA DO MUNDO FIFA 2014 - ARGENTINA x ALEMANHA no Estadio Maracana no Rio de Janeiro RJ. Foto: Douglas Magno / O Tempo

Ver o Maracanã pintado com o azul e o branco argentino e o vermelho e o amarelo alemão, doeu. Com a frustrante campanha da seleção brasileira, batida na semifinal, a casa, que se desmanchou em lágrimas ao ver o Brasil perder a Copa, em 1950, desta vez, se curva a um novo campeão. Aos brasileiros, restou torcer contra a Argentina mas, nada que possa se justificar como prêmio de consolação.

Afinal de contas, o fantasma não foi exorcizado e sabe-se lá quando o Mundial voltará ao Brasil. Em um dia época, a história vai contar o dia que os brasileiros gritaram olé para os alemães, as tentativa de abafar os cânticos hermanos.

Estava até chato, mas enquanto os argentinos mostravam o “sete” – referência aos 7 a 1 da goleada da Alemanha sobre o Brasil – os brasileiros gritavam pentacampeão. Feio apenas o comportamento exageradamente ríspido entre os rivais, que teve como consequência pequenos desentendimentos na arquibancada.

Aos “45 minutos do segundo tempo”, o agente de viagens Gilberto Veiga, 64, conseguiu um ingresso para a finalíssimina. Ele não pensou duas vezes: quis marcar presença , mesmo sem o Brasil em campo.

“É frustrante para quem está organizando não chegar a final. Eu não esperava vir. Minha filha conseguiu comprar o ingresso às 11h no site da Fifa. Valeu muito a pena. Uma final de Copa do Mundo na sua cidade não é todo dia”, destacou o agente que, junto com a filha, gastou R$ 1.980 com as entradas.

Embora o Maraca tenha igualado, neste domingo, seu maior público do reformado estádio – 74.738 torcedores –, o número de espectadores foi apenas 37% dos quase 200 mil que assistiram à final de 64 anos atrás. Eram outros tempos. Serão novos tempos.