Alemanha: a justiça e a glória no trabalho consagrador

Gol de Gotze só colocou ordem na casa: a melhor seleção do mundo venceu deu o quarto mundial para os alemães

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

ANDRÉ MOURÃO/AGÊNCIA O DIA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO
undefined

Foi como em um jogo de xadrez. As peças estavam dispostas no tabuleiro. Apenas uma jogada de mestre seria capaz de definir o campeão. No tempo normal, este lampejo não veio. O suspense se manteve com tons dramáticos de gol em impedimento, bola na trave e erros ali, justamente na hora H. O xeque-mate veio apenas no segundo tempo da prorrogação. Aos sete minutos, Götze recebeu livre na área, matou no peito e fuzilou as redes do goleiro argentino Romero. Era o gol do tetra, um tento para coroar uma geração de vencedores que jamais deixaram de acreditar que este dia chegaria. O Maracanã se rendeu ao talento alemão.

A sina dos tetracampeões mundiais permanece. Repetindo Brasil e Itália, 24 anos após o título, justamente sobre os argentinos, na Itália, em 1990, a Alemanha volta ao topo do mundo. De quebra, a Alemanha ainda entrou para a história ao dar fim a hegemonia sul-americana em Copas disputadas no continente americano. Números de uma equipe que não se cansa de quebrar recordes, pulverizar tabus e dar espetáculo.

O Maracanã, palco sagrado do país do futebol, foi testemunha da consagração da técnica, da bola trabalhada, das jogadas ensaiadas, da precisão no toque e da organização de uma geração que se preparou para a glória. Foram três mundiais seguidos batendo na trave, terceiros lugares angustiantes. A Alemanha merecia mais. Se o hexa não veio, prevaleceu em campo o futebol da seleção mais “brasileira” da Copa do Mundo de 2014. O time que conquistou um lugar no coração verde e amarelo com gestos simplórios, mas com um carinho que o tão crítico e fanático torcedor brasileiro não esquecerá jamais.

Campanha Alemanha

Alemanha 4 x 0 Portugal

Na Bahia de todos os santos, a Alemanha deu o primeiro passo rumo ao tetracampeonato. E foi com baile. Na Fonte Nova, em Salvador, os germânicos fizeram a festa sobre Portugal de Cristiano Ronaldo, eleito pela Fifa o melhor jogador do mundo. 4 a 0 no placar, com direito a hat-trick de Thomas Müller. Resultado incontestável.

Alemanha 2 x 2 Gana

Foi difícil. Diante da seleção de Gana, os alemães estiveram longe de seu melhor futebol e ficaram apenas no empate por 2 a 2. A partida, disputada no calor de Fortaleza, teve um nome. Miroslav Klose. O camisa 11 saiu do banco de reservas para salvar a Alemanha e igualar o recorde de gols de Ronaldo em Copas do Mundo. 15 gols e muita história para contar.

Estados Unidos 0 x 1 Alemanha

Debaixo de uma torrencial chuva no Recife, os alemães precisaram de apenas um gol para selar a classificação às oitavas de final da Copa do Mundo em primeiro lugar do Grupo G. Aos 10 minutos do segundo tempo, Müller deu fim a qualquer suspeita de um possível jogo de compadres entre alemães e norte-americanos, que precisavam de apenas um empate para a classificação.

Alemanha 2 x 1 Argélia

A zebra quase passeou no Beira-Rio. A Argélia, tida como uma das grandes surpresas do Mundial, engrossou o caldo para os até então tricampeões mundiais. Foi apenas na prorrogação que os alemães mostraram sua força e bateram os africanos com gols de Schürrle e Özil. Os comandados de Joachim Löw chegavam a tão desejada quartas de final.

França 0 x 1 Alemanha

Queridinhos dos brasileiros, os alemães ganharam o apoio da torcida presente no Maracanã. Afinal de contas, quem estava em campo era a França e a velha rivalidade, decorrência da Copa de 1998 e a eliminação na Copa de 2006, falou mais alto. Em uma de suas melhores apresentações táticas, a Alemanha fez o dever de casa. Não deu espaços e foi premiada com um gol solitário do zagueirão Hummels.

Brasil 1 x 7 Alemanha

Foi aterrorizador. O Brasil já havia passado por uma tragédia no Maracanã, em 1950, mas nada parecido com o que aconteceu no Mineirão. A seleção foi engolida pela Alemanha, que com um futebol envolvente imputou um impiedoso 7 a 1 no país anfitrião da Copa do Mundo. O sonho do hexa acabava da pior maneira possível. Os alemães chegavam a mais uma decisão mundial. Alemanha 1 x 0 Argentina

Foi na prorrogação que o tetracampeonato mundial alemão foi consolidado. Aos sete minutos do segundo tempo, Mario Götze aproveitou o vacilo da zaga argentina para dominar no peito e fuzilar as redes do goleiro Romero. Um gol que entrou para a história e marcou a para sempre uma geração de vencedores que nunca deixou de sonhar. O Maracanã foi testemunha da consagração do futebol alemão.  

Leia tudo sobre: Copa do Mundoseleção alemãfutebolesportesseleção argentinaGotzefinal