Milhares de pessoas fogem de Gaza e se tornam novos refugiados

A grave situação da Faixa de Gaza soma ao menos 166 mortos e centenas de feridos

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

SÃO PAULO, SP - Milhares de moradores de Gaza fugiram de suas casas neste domingo (13) diante dos bombardeios e das ameaças israelenses de intensificar a ofensiva contra o movimento islamita Hamas na região.   Panfletos foram lançados sobre o Norte do território palestino pela aviação de Israel, pedindo aos civis que se refugiassem no sul do território.   Esta foi a primeira vez que o exército deu um ultimato à população de Gaza desde o início das hostilidades, que começaram na última na terça-feira.   De carro, em burros, carretas puxadas por cavalos ou a pé, os refugiados abandona a região, com alguns pertences.   Eles buscam abrigo em instalações administradas Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinos, as UNRWA. A infraestrutura, porém, já não é suficiente para receber os cerca de 4 mil palestinos que buscam asilo.   As 28 escolas da UNRWA estão completas, e quase não temos lugar para acolher tanta gente. Nem comida nem instalações suficientes", explicou Akif Shalif, diretor da escola Rimal, no centro da Faixa.   Os palestinos com passaportes de outros países foram autorizados pelas autoridades israelenses a deixar a Faixa de Gaza.   BOMBARDEIOS   "Foram tantos bombardeios que ninguém conseguiu dormir, era assustador", conta Farid, um refugiado, sobre as operações aéreas ocorridas no sábado (12), que deixaram cerca de 56 mortos -foi o dia mais violento da campanha militar.   Apesar dos apelos internacionais por um cessar-fogo, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu não parece disposto a acabar com a ofensiva.   "Vamos continuar atuando com sangue frio, firmeza e responsabilidade para alcançar nosso objetivo, que é restabelecer a calma por um longo período, atacando o Hamas e as demais organizações terroristas", disse Netanyahu.   "Não sabemos quando terminará a operação, pode levar muito tempo", advertiu.   Desde terça-feira, o Hamas lançou mais de 800 foguetes contra o território israelense, que deixaram 10 feridos, mas não provocaram vítimas fatais. Neste domingo, a defesa antiaérea israelense destruiu dois foguetes disparados a partir de Gaza antes da que da em Tel Aviv, segundo o exército.   A grave situação da Faixa de Gaza soma ao menos 166 mortos e outras centenas de feridos -a maioria civis.

Leia tudo sobre: Gazarefugiadosbombardeios