Polícia carioca diz que manifestantes tinham materiais explosivos

Máscaras de gás, panfletos e garrafas com gasolina estão entre os materiais que teriam sido apreendidos durante a operação

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Máscaras de gás, panfletos, garrafas com gasolina e materiais que poderiam ser usados como bombas e explosivos foram apresentados neste sábado (12) pela Polícia Civil do Rio de Janeiro entre os objetos apreendidos com os 19 ativistas presos suspeitos de participação em atos violentos praticados durante manifestações desde junho do ano passado.

A operação cumpriu 26 mandados de prisão temporária expedidos pela 27ª Vara Federal da capital. Nove ativistas são considerados foragidos. Dois mandados eram de busca e apreensão de menores. Em entrevista coletiva, o chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso, e os delegados Alessandro Thiels e Renata Araújo, da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática,  informaram que mais duas pessoas foram presas em flagrante, uma por porte de maconha e outra por porte de arma, que também foi apreendida.  O pai de um dos adolescentes assumiu a posse da arma, cujo registro estava vencido.

Os presos ativistas detidos devem ser apresentados ainda hoje. Eles são acusados de formação de quadrilha armada e ficarão detidos preventivamente por cinco dias. De acordo com a polícia, a chefe da quadrilha seria a ativista Elisa Quadros Sanzi, a Sininho, presa em Porto Alegre. Organizações não governamentais e de direitos humanos criticam as prisões, que consideram abusivas, e questionam a realização da operação a um dia da final da Copa do Mundo.

Leia tudo sobre: presosmaniestantesrio de janeirodetidossininhoblack blocks