Savassi estava vazia durante partida entre Brasil e Holanda

Algumas pessoas chegaram a acompanhar a partida, porém, parte celebrou os gols holandeses

iG Minas Gerais | GUSTAVO ROCHA |

Entre os torcedores que estiveram na região, grupo de amigos levou caixa de isopor com bebidas
Oswaldo Ramos/Divulgação
Entre os torcedores que estiveram na região, grupo de amigos levou caixa de isopor com bebidas

Diferentemente das demais partidas disputadas pelo Brasil nesta Copa do Mundo, o movimento na Savassi, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, foi considerado baixo neste sábado (12), durante a partida entre Brasil e Holanda, que disputaram o terceiro lugar da competição. 

Apesar do "carnaval" não ter tomado conta das ruas região, algumas pessoas marcaram presença para dar suporte à seleção canarinho ou apoiar os holandeses. Alguns destes torcedores não acreditam que o Brasil possa ter "vendido" o jogo para a Alemanha. "Quem vai querer vender uma Copa jogando em casa, uma oportunidade de se consagrar", diz Pedro Ivo, que assistiu a todos os jogos da seleção na região da Savassi. Ele voltou hoje para se despedir da Copa e porque "gostou do pessoal que frequenta aqui".

Já Lucas Mrad, de 19 anos, vestido com a camisa azul da Holanda, diz que "não está nem aí para o jogo". Apesar de levar a camisa do rival do Brasil, ele não está na torcida contrária. "Não vou torcer contra o Brasil, mas esse jogo não vale nada. Eu só vim aqui na Savassi para encontrar os meus amigos", afirma.

Mrad e a turma de amigos, todos muito jovens, desconfiam da performance brasileira nas semifinais. "Os caras estavam andando em campo. Aquela sequência de gols foi muito estranha". Mas, ainda assim, a consagração de ser campeão jogando em casa não fala mais alto? "Acho que o dinheiro fala mais alto", analisa Pedro Rost, de 19 anos.

Quando a seleção brasileira levou gols, parte da torcida, revoltada com a derrota por 7 a 1 no Mineirão para a Alemanha, celebrou ironicamente. No fim da partida, o movimento na região começou a aumentar, porém, não eram pessoas que pretendiam acompanhar a partida, mas sim os frequentadores usuais da Savassi.

Leia tudo sobre: SAVASSICOPAJOGOHOLANDATERCEIRO LUGARSÁBADOMOVIMENTOCHEIOCARNACOPA