Sabella esconde escalação e futuro à frente da seleção argentina

Treinador não quis confirmar a presença de Di María contra a Alemanha, e aumentou os rumores de sua possível despedida da Albiceleste

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Rio de Janeiro - Por pouco mais de quarenta minutos, o técnico argentino Alejandro Sabella respondeu cordialmente as perguntas da última entrevista coletiva antes da final da Copa do Mundo. E conseguiu uma proeza. Passou ileso em questões relacionadas ao time que enfrenta a Alemanha neste domingo, no Maracanã. A grande dúvida é a utilização do meia-atacante Di María, que sofreu um estiramento grau 1 na coxa direita. Nas palavras de Sabella, um último teste físico apontará a utilização ou não do jogador.

“Vamos ver hoje. Será um dia fundamental para vermos como ele evoluiu. No treino, teremos uma ideia geral, mais detalhada. Ele passará por uma avaliação, mas não posso responder isto agora”, afirmou o comandante.

Se o time permanece ainda um mistério, a permanência de Sabella à frente da seleção argentina é outro grande ponto de interrogação. Questionado sobre o fato, o comandante argentino preferiu não alimentar especulações. Neste momento, sua única preocupação é a Alemanha, adversária na grande decisão deste domingo, no Maracanã, às 17h (de Brasília).

“Muitos pensavam, acreditavam, que este poderia ser o meu último dia. Isto é irrelevante agora. O mais importante é o jogo de amanhã. Eu não conversei com ninguém, nem com a minha família sobre o assunto”, concluiu o treinador.

Os rumores da possível saída de Sabella foram levantados por seu próprio empresário, Eugenio Lopez. De acordo com o agente, a decisão já estaria formulada na mente do treinador independentemente do que aconteça contra a Alemanha. Alejandro assumiu o comando da seleção em 2011, após o fracasso na Copa América. Entrou no cargo credenciado pelo título da Taça Libertadores conquistado pelo Estudiantes em 2009.