Carlinhos Brown e Ivete dizem que Brasil não fracassou no Mundial

Cantores que se apresentarão no fechamento da Copa saíram em defesa da seleção e comemoram sucesso do País fora das quatro linhas

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Ivete já estaria tentando organizar sua agenda para conseguir cumprir os horários das gravações
Divulgação
Ivete já estaria tentando organizar sua agenda para conseguir cumprir os horários das gravações

Escalados para cantar na cerimônia de encerramento da Copa do Mundo, Carlinhos Brown e Ivete Sangalo saíram em defesa da seleção e disseram que o Brasil não deve ficar com sentimento de derrota por conta da goleada sofrida por 7 a 1 para a Alemanha, na semifinal.

Segundo os cantores, depositar nas costas dos jogadores o sentimento de sucesso ou fracasso do Mundial para a população brasileira, é um equívoco.

"É um equívoco depositar nessas crianças [da seleção] uma expectativa tão gigante como foi depositada. Isso não faz Neymar e David Luiz menores. Não podemos nos sentir derrotados. Nós ganhamos a Copa do Mundo. Tivemos a oportunidade de receber tanta gente, de mostrar o Brasil para o mundo", disse Brown. O baiano fará um dueto com a colombiana Shakira na música "Dare (La La La)". Já Ivete cantará ao lado de Alexandre Pires um pout-pourri de músicas brasileiras.

"Nunca vimos uma Copa no Brasil com tanta pressão sobre os jogadores. A gente queria que eles vencessem. Mas já conseguimos tanta coisa. Espero, como brasileira, que essa consciência da torcida pela seleção que vivemos nos últimos dias vire a torcida pelo país como um todo."

A festa também terá a apresentação do hino oficial da Copa "Dar um jeito", quer será interpretado por Alexandre Pires, o rapper haitiano Wyclef Jean e o guitarrista mexicano Carlos Santana. A cerimônia de encerramento da Copa do Mundo começa às 14h40, no Maracanã, e terá 18 minutos de apresentações artísticas no gramado em homenagem às 32 seleções e, segundo a organização, com ênfase nas finalistas Alemanha e Argentina.

O troféu será conduzido ao gramado pelo ex-zagueiro espanhol Carles Puyol e pela modelo Gisele Bündchen.

A premiação acontecerá nas tribunas do Maracanã, e não no centro do gramado, como foi no passado. O novo campeão mundial receberá a taça das mãos da presidente Dilma Rousseff e do mandatário da Fifa, Joseph Blatter.