Polícia Civil do Rio executa cerca de 60 mandados de prisão temporária

Qualquer ativista ou militante que já tenha sido detido ou seja objeto de algum inquérito policial é um possível alvo da ação, segundo a Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência

iG Minas Gerais | Da redação |

Diante da grande mobilização de pessoas que pretendem participar dos protestos que estão sendo convocados para este domingo, 13, durante a partida final da Copa do Mundo, a Polícia Civil do Rio de Janeiro decidiu executar, na manhã deste sábado, cerca de 60 mandados de prisão temporária com prazos que podem se estender por cinco dias. Qualquer ativista ou militante que já tenha sido detido ou seja objeto de algum inquérito policial é um possível alvo da ação policial. As informações foram publicadas hoje na página oficial da Rede de Comuidades e Movimentos contra a Violência, no Facebook.        Até agora, já foram confirmadas mais de 20 prisões e alguns detidos serão transferidos para Bangu 8 ainda neste sábado, segundo os policiais. Em nota divulgada na rede social, o movimento afirma que "O objetivo imediato dessa ação, tão ilegal e arbitrária como várias outras que acontecem no país desde os protestos que começaram em junho do ano passado, parece ser intimidar e amedrontar as pessoas que estão dispostas a participar dos protestos amanhã".   Ainda de acordo com o texto, para que os madados sejam executados livremente, está sendo utilizada a legislação de exceção aprovada em níveis federal e estadual desde o ano passado. Ela condenada como atentado ao Estado de Direito as entidades e organizações defensoras dos Direitos Humanos de todo o mundo, incluindo a OAB e a Anistia Internacional. "A história de todos os povos, inclusive o brasileiro, demonstram que o arbítrio só pode ser derrotado com luta e coragem! Libertem nossos lutadores!", defende o movimento social.