Siglas precisam incluir os mais novos

Para os jovens se tornarem candidatos, é necessária a socialização na vida partidária de maneira mais “orgânica e enraizada”, segundo cientista político

iG Minas Gerais | Guilherme Reis |

O cientista político Manoel Santos, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), avalia que os partidos precisam se aproximar mais dos jovens para formar novos candidatos e renovar seus quadros.  

Segundo Manoel Santos, para os jovens se tornarem candidatos, é necessária a socialização na vida partidária de maneira mais “orgânica e enraizada”. “Quando vemos no horário eleitoral a ala jovem de um partido, tudo é mostrado de maneira festeira. A impressão não é de envolvimento. As legendas não criam espaços para a vivência dos jovens no cotidiano da política. Ter representantes da juventude é uma oportunidade de renovação”, salientou.

O especialista explica que candidatos jovens têm menos condições de financiar suas campanhas eleitorais, o que também impacta negativamente no índice de renovação dos cargos eletivos. “Entendo que o financiamento de campanha é uma grande barreira para quem está iniciando uma trajetória política. É muito caro buscar votos, e os novatos não têm condição de se financiar e de conseguir quem financie sua jornada. É mais fácil para a legenda e para financiadores investir em nome já consolidado”, argumentou. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave