Jovens têm ambição na política

Moça de 19 anos quer ser deputada federal, e rapaz de 25 vai disputar vaga na Assembleia

iG Minas Gerais | Guilherme Reis |

Bruna de Melo promete trabalhar pelas mães solteiras como ela
Arquivo pessoal/Divulgação
Bruna de Melo promete trabalhar pelas mães solteiras como ela

A proporção de candidatos mineiros com idade entre 18 e 34 anos aumentou em relação às últimas eleições gerais. Em 2010, 10% dos postulantes aos seis cargos eletivos em disputa eram jovens nesta faixa etária, e neste ano são 14%. Além de uma presença maior, em 2014 dois candidatos aos Parlamentos estadual e federal têm menos de 20 anos. Em 2010, o mais novo tinha 21.

Para se elegerem, os mais novos esperam arregimentar eleitores da mesma faixa etária e convencer a “descrença” dos mais velhos com o discurso da inovação na política. Com apenas 19 anos, Bruna Felipe de Melo (PSDB) sempre teve vontade de entrar na vida política do país. A oportunidade surgiu quando sua madrinha, que faz parte do PSDB Mulher, a convidou para pleitear uma vaga no Legislativo federal. Ainda no segundo grau, a tucana vai fazer campanha para ajudar a juventude e as mães solteiras. “Quando digo que sou candidata, as pessoas mais velhas se assustam, mas quando veem que sou mais madura do que as jovens da minha idade, me aceitam. Vou mostrar que posso ajudar as mães solteiras, como eu, e os jovens, que estão morrendo por causa da violência”, frisou. Em 2012, aos 23 anos, André Veloso (PSOL) conseguiu 1.800 votos como candidato a vereador de Belo Horizonte. Neste ano, concorrendo a uma cadeira na Assembleia, ele acredita que poderá convencer mais pessoas a votarem em seu número. “A juventude está comprometida com o futuro. Quando mostro meu discurso, as pessoas mais velhas param de me subestimar”, ressaltou Veloso, que participou das manifestações e da ocupação da Câmara Municipal de Belo Horizonte no ano passado. Governador. Com 32 anos, Professor Túlio Lopes (PCB) é o quarto candidato a governador mais novo do Brasil e o mais jovem a disputar o Palácio Tiradentes. Apesar da pouca idade para encarar o pleito majoritário, Túlio Lopes se considera experiente na política, já que sua militância começou em 2000, quando foi coordenador do grêmio estudantil do colégio Padre Eustáquio, em Belo Horizonte. Atualmente, o comunista graduado em história é presidente estadual do PCB e professor concursado – mas não nomeado – da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG). Para Lopes, sua candidatura se viabiliza porque “existe o sentimento de mudança”. Sua bandeira principal será a valorização do servidor do Estado. “Sou jovem, mas, quando falo que sou professor, as pessoas respeitam minha candidatura. As minhas motivações são a mudança do modelo político que temos e as reivindicações do servidores públicos. Vou fazer um trabalho sério. Dessa forma, posso conseguir votação expressiva”, explicou o professor, que se lançou às urnas pela primeira vez em 2006, quando disputou uma vaga na Assembleia.

Na outra ponta Cinquentões.Dos 1.777 candidatos a todos os cargos em Minas Gerais, a faixa etária que mais tem postulantes é a dos 50 aos 54 anos. São 300 nomes que já completaram mais de meio século de vida. Experiência. Apenas um candidato em Minas tem 90 anos. Waldir Rufino do Santos vai para as urnas como Waldir, o jovem.” Fôlego. Na briga pelo Executivo estadual Tarcísio Delgado (PSB) é o mais velho. Ele tem 78 anos. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave