Ofensiva em Israel deixa cem mortos em apenas cinco dias

Aviação israelense realiza 210 ataques em Gaza, enquanto Hamas ameaça atacar aeroporto de Tel Aviv

iG Minas Gerais |

Forças. 
Soldados israelenses se reúnem para descansar na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza
LEFTERIS PITARAKIS
Forças. Soldados israelenses se reúnem para descansar na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza

TEL AVIV, Israel. O presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, pediu que o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) condene os ataques israelenses à Faixa de Gaza, que já deixaram mais de cem palestinos mortos, entre eles mulheres e crianças, em cinco dias.  

“A liderança palestina pede que o Conselho de Segurança emita de forma rápida uma condenação à agressão israelense e imponha um compromisso mútuo de cessar-fogo imediatamente”, disse o líder do grupo que governa a Cisjordânia.

Mas, apesar dos apelos da comunidade internacional por um cessar-fogo, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, declarou que nenhuma pressão internacional impedirá seu país de “atacar os terroristas”. A aviação israelense realizou 210 ataques na Faixa de Gaza nas últimas 24 horas, contra 194 foguetes disparados a partir do território controlado pelo Hamas.

O grupo militante islâmico, por outro lado, lançou mais uma ameaça contra Israel, dizendo que o aeroporto internacional de Ben-Gurion, em Tel Aviv, era um de seus alvos nessa sexta. Sirenes de alerta aéreo soaram na região, com a intercepção de três projéteis lançados a partir de Gaza, e as atividades no aeroporto tiveram de ser interrompidas por alguns minutos.

O Hamas reivindicou o lançamento de quatro foguetes contra o aeroporto, que abriga uma base aérea militar, advertindo as companhias aéreas a não viajarem para a principal porta de entrada de Israel para o mundo. Segundo um porta-voz da Autoridade Aeroportuária de Israel, uma sirene tocou em Ben-Gurion e toda a atividade foi interrompida por cerca de dez minutos. Mas a paralisação era parte de um alerta geral na área de Tel Aviv e não uma ameaça direta ao aeroporto.

Em uma entrevista coletiva, Netanyahu afirmou que mais de mil alvos que pertencem ao Hamas e à Jihad Islâmica já foram atingidos em Gaza, e que os ataques continuarão até que a paz seja restabelecida aos cidadãos de Israel. Questionado se o governo considerava uma invasão terrestre, ele respondeu que estava “preparando todas as opções”.

“Os líderes do Hamas estão se escondendo atrás dos cidadãos de Gaza, e eles são responsáveis por todas as baixas”, afirmou o premiê.

Esconderijo

Netanyahu. A chuva de mísseis disparados entre Israel e Gaza levou até o premiê Benjamin Netanyahu a se esconder em um abrigo em Tel Aviv. Ele estava com membros de Relações Exteriores e de Defesa.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave