“O Rebu” é repleto de mulheres poderosas

Inspirada na novela que foi ao ar em 1974, trama estreia na segunda-feira

iG Minas Gerais |

Laços. Duda (Sophie Charlotte) e Angela (Patrícia Pillar) são como mãe e filha, depois de tragédia que se abate sobre as duas
TV Globo/Divulgação
Laços. Duda (Sophie Charlotte) e Angela (Patrícia Pillar) são como mãe e filha, depois de tragédia que se abate sobre as duas

SÃO PAULO. Poder, beleza, dinheiro, uma festa glamorosa e três mulheres de idades e personalidades diferentes: Angela Mahler (Patricia Pillar), Duda (Sophie Charlotte) e Gilda Rezende (Cassia Kis Magro), as grandes estrelas de “O Rebu”, próxima novela das 11, que estreia na segunda-feira na Globo. Inspirada na obra homônima de Bráulio Pedroso, que foi ao ar na TV Globo em 1974, a novela é escrita por George Moura e Sergio Goldenberg.  

Gravada durante um mês na Argentina e em estúdios do Rio de Janeiro, a trama se passa em apenas 24 horas e narra, simultaneamente, o que acontece durante, depois e antes de uma luxuosa festa cheia de encontros e desencontros amorosos, além de jogos por dinheiro e poder.

A anfitriã é a elegante e ricaça Angela, empresária e herdeira da empreiteira Mahler Engenharia, responsável por grandes obras no Brasil e no mundo. Ela abre as portas da sua mansão, localizada na região serrana do Rio, para comemorar o lançamento de uma nova plataforma de petróleo e também por uma motivação pessoal importante. Mas não contava com a morte de alguém na piscina de sua casa.

Na versão original da trama, o papel da protagonista foi vivido por um homem, o ator Ziembinski (1908-1978), que vivia o anfitrião Conrad Mahler. “A ideia de mudar o personagem principal de homem para uma mulher surgiu como um dos nossos esforços de trabalhar a ideia da contemporaneidade da novela. Hoje, as mulheres estão no poder e são fascinantes, o que nos levou a fazer essa troca”, conta George Moura.

Patricia Pillar, então, ganhou a responsabilidade de assumir o papel de protagonista, uma mulher solitária, que perdeu o marido, João Paulo, e os dois filhos gêmeos em um acidente de helicóptero. Para viver uma personagem tão densa, a atriz revela que estuda muito os capítulos. “É um grande material para nós, atores. As histórias estão todas lá, basta buscá-las”, afirma a atriz, que não se importa com gêneros. “Para mim, não faz a menor diferença fazer agora um papel que foi ocupado por um homem antes. A mulher, hoje, ocupa um espaço de poder, então é algo interessante para mostrar atualmente”, analisa.

Após a tragédia que afeta sua família, Angela se apega a Duda (Sophie Charlotte), filha da governanta que morreu no mesmo acidente. A empresária cria a jovem como sua “filha do coração”, com todas as regalias e atenções, e nutre por ela um amor maternal e sincero, mas, às vezes, obsessivo. Acolhida pela empresária e sua melhor amiga, Duda passa a participar da vida de glamour de Angela, inclusive nos negócios – ela ganha um alto cargo na empresa e passa a acompanhar reuniões e opinar em decisões estratégicas.

O desentendimento entre as duas se dá apenas em relação à vida amorosa de Duda, que é apaixonada por Bruno Ferraz (Daniel de Oliveira), um profissional de tecnologia contratado pela empresária para espionar os negócios de seu rival. Namorados na vida real, o entrosamento entre Sophie e Daniel de Oliveira é notório.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave