Higuaín quer impor sua vontade na final contra a Alemanha

Frase do atacante, dita na saída do Itaquerão, é uma espécie de "querer é poder"

iG Minas Gerais | Folha Press |

"Se chegamos até aqui é porque falta apenas um jogo. Se falta um jogo e estamos tão perto, tenho certeza de que eu e os meus companheiros vamos conseguir."

Gonzalo Higuaín está falando do título da Copa do Mundo, que pode ser obtido neste domingo (13), contra Alemanha, no Maracanã. Após a vitória nos pênaltis contra a Holanda na semifinal, é o último objetivo para o atacante chegar ao topo da pirâmide do futebol mundial.

A frase do atacante, dita na saída do Itaquerão, é uma espécie de "querer é poder". Ele está acostumado a isso. O que Higuaín quer, Higuaín consegue.

É o mesmo jogador que contratou um advogado para achar uma brecha na lei para não aceitar ser convocado pela França e continuar com o passaporte da Comunidade Europeia. Ele nasceu em Brest, em 1987. Na época, seu pai, Jorge, era zagueiro do clube local. Apesar de ter se mudado para a Argentina aos dez meses ele teria, teoricamente, de vestir a camisa francesa.

Conseguiu achar um argumento jurídico aceito pela Fifa. Começou a defender a Argentina, despertando a ira de Raymond Domenech, técnico da seleção do seu país natal.

"Fico surpreso com a decisão. Ele é francês e como todo jogador francês, deve atender ao nosso chamado", disparou.

Na Copa do Mundo, Higuaín é uma das peças que resistiu do que foi chamado de "quarteto fantástico". Só ele e Messi estão no time. Aguero se lesionou e, quando voltou, foi para o banco. Di María também se contundiu e é séria dúvida para a decisão.

Também por causa de problema muscular, o centroavante começou na reserva na estreia, diante da Bósnia. Nem precisou bater o pé para entrar. Fez apenas um gol até agora, contra a Bélgica. Antes, era cobrado discretamente por estar em branco no Mundial. Em 2010, na África do Sul, ele havia sido o principal goleador argentino, com quatro.

O mérito de Sabella foi fazer Higuaín compreender a importância da Copa do Mundo e que também deveria ser responsável por dar combate ao adversário. Se Messi estava disponível para ajudar na marcação, ele também tinha de estar.

"O Mundial é o ponto máximo na minha vida de jogador. Neste grupo, todos estão dispostos a fazer qualquer sacrifício para que a Argentina saia campeã", afirmou na semana passada.

Pode parecer óbvio, mas nada é tão simples. É o mesmo Higuaín que se recusou a jogar o Mundial sub-20 de 2007 com o argumento de que só atenderia à convocação da equipe principal para a Copa América daquele ano. Para categorias de base, não.

Sempre que podem, os atletas e Sabella exaltam o fato de que o elenco está junto há mais de um mês e não aconteceu nenhum problema, nenhuma discussão. Mesmo com jogadores que não são todos amigos uns dos outros, como é o caso do artilheiro apelidado de Pipita. É um boato recorrente que ele não morre de amores por outros astros do grupo, como Messi e Aguero.

Já se recusou a fazer matérias ao lado do volante Fernando Gago porque, na época, os dois disputavam a preferência da mesma mulher, a dançarina Micaela Vázquez.

DE PIPA A PIPITA

Higuaín é apelidado de Pipita porque seu pai era conhecido como Pipa (tubo, em espanhol), em referência ao nariz proeminente.

Jorge foi zagueiro conhecido de Boca Juniors, River Plate e San Lorenzo. Quando colocou o filho nas categorias de base do River, aos 10 anos, fez apenas uma exigência: Gonzalo teria de ser tratado como qualquer outro garoto. Não deveria receber nenhum privilégio por ser filho de um ex-profissional do clube.

Isso fez com que Pipita tivesse de impor sua vontade na equipe com os gols, até se transferir para o Real Madrid em 2007. Pediu para deixar o time espanhol porque não se sentia querido. Forçou a saída e conseguiu se transferir para o Napoli no ano passado.

"Tudo o que fiz na carreira, de uma certa forma, foi pensando na seleção. Eu sempre quis estar jogando todas as semanas para não ser esquecido. Ainda mais com a Copa do Mundo se aproximando", explicou.

Conseguiu ser chamado e jogar. Agora está perto de realizar sua vontade suprema de ser campeão do mundo.

Leia tudo sobre: HiguainvontadefinalArgentinaAlemanhaCopa do Mundo