Messi ou Müller, Romero ou Neuer? Os duelos de Alemanha e Argentina

Confira um comparativo de jogador por jogador de cada seleção

iG Minas Gerais | Folha Press |

Argentinos buscam o tricampeonato
Argentinos buscam o tricampeonato

Argentina e Alemanha decidem no próximo domingo (13), a partir das 16h (de Brasília), no Maracanã, no Rio de Janeiro, a final da Copa do Mundo do Brasil. Os alemães apostam na força e na qualidade do seu conjunto para levantarem a taça pela quarta vez na sua história. Já os argentinos vão se defender como podem para que Messi, eleito quatro vezes o melhor jogador do mundo, resolva a partida, e o país conquiste o tricampeonato.

Confira um comparativo de jogador por jogador e veja quem é melhor em cada função:

Neuer x Romero

Romero saiu como um dos heróis da Argentina na semifinal diante da Holanda, quando defendeu dois pênaltis e ajudou o time a chegar à grande decisão. Mas, nesta Copa, os números são todos favoráveis ao concorrente alemão. Mais participativo do jogo coletivo da Alemanha, Neuer recebe média de 18,7 bolas recuadas, a maior quantidade entre todos os goleiros da Copa segundo o Datafolha. O jogador do Bayern de Munique também tem melhor reposição de bola, com 81,6% de aproveitamento. O camisa 1 do Monaco acerta 70,1%.

Lahm x Zabaleta

Outro confronto que os números mostram que o desempenho do alemão é bem melhor que o do argentino neste Mundial. Zabaleta se destaca pela forte marcação pelo lado direito da defesa, mas Lahm é mas técnico e um dos pontos fortes do ataque da sua seleção quando avança ao campo adversário. O jogador do Bayern de Munique é o segundo jogador mais acionado na Alemanha (atrás somente de Kroos), com média de 58,3 bolas recebidas. Faz menos faltas (3 contra 7) e desarma mais (35 a 25) do que o lateral do Manchester City, de acordo com a Fifa.

Boateng x Demichelis

Primeiro duelo individual que o jogador argentino chega melhor do que o alemão à final da Copa. Apesar de ter disputado somente as duas últimas partidas pela seleção argentina como titular, o zagueiro do Manchester City tem média de 25 desarmes por jogo, a maior entre todos os jogadores da competição. O defensor do Bayern de Munique é mais lento, comete mais faltas e também acerta menos passes. Como consolo, é melhor no jogo aéreo.

Hummels x Garay

O argentino Garay, do Benfica, até faz uma boa Copa do Mundo, é um zagueiro muito seguro. Mas, o defensor do Borussia Dortmund é mais técnico e um dos melhores da posição neste torneio. Hummels é melhor no jogo aéreo e já tem dois gols de cabeça na competição. É também menos faltoso (4 contra 8 infrações). Garay desarmou mais, com 44 roubadas de bola, mas isso deve-se ao fato de ter jogado uma partida a mais do que o concorrente alemão. Höwedes x Rojo Entre embate opõe um lateral esquerdo de ofício (Rojo) contra um zagueiro que atua improvisado no setor (Höwedes). Por isso, o argentino do Sporting se destaca mais quando desce ao campo de ataque, enquanto o alemão do Schalke é melhor na marcação. Rojo chutou mais vezes contra o gol adversário (8 a 3 nas finalizações) e tem um gol na competição. Já Höwedes, apesar de ser mais faltoso, tem mais desarmes (40 a 37).

Khedira x Biglia

Biglia começou a Copa na reserva da Argentina, mas devido às más atuações do volante Gago virou titular da equipe desde o jogo contra a Bélgica, pelas quartas de final. E o jogador da Lazio tem ido bem na marcação do meio de campo ao lado de Mascherano. No entanto, Khedira é muito mais técnico, tem melhor passe e cumpre papel importante na Alemanha quando avança ao campo de ataque, puxando a marcação rival e abrindo espaços para os meias Kroos e Özil. Já finalizou mais do que o argentino (4 a 0) e tem uma assistência.

Schweinsteiger x Mascherano

Ambos são os principais responsáveis pela saída de bola nas duas respectivas seleções. Schweinsteiger, do Bayern de Munique, é o mais eficiente nos passes da equipe alemã, com 93,4% de acerto, enquanto Mascherano é o mais acionado do time argentino, com 60,5 bolas recebidas, aponta o Datafolha. Na função de primeiro volante, com a missão de dar o combate à frente da sua defesa, o meio-campista do Barcelona vai melhor. Mas, com a bola no pé, o alemão se sobressai na qualidade.  

Kross x Enzo Pérez (Di María)

Com o argentino Di María ainda sendo dúvida para a final, pois se recupera de lesão, este duelo fica desigual. O alemão Kroos é candidato a ser um dos melhores da Copa, enquanto Enzo Pérez, com suas limitações, precisou substituir o segundo melhor jogador da sua seleção. O meia do Bayern de Munique, autor de dois gols na histórica goleada alemã sobre o Brasil, é o mais acionado na equipe europeia, com média de 62,8 bolas recebidas nas seis partidas que disputou até agora. Por ter jogado mais partidas, também finalizou e acertou mais passes que o meia do Benfica.

Özil x Lavezzi

Contra a Holanda, pela semifinal, o argentino Lavezzi talvez tenha feito a sua melhor partida individualmente nesta Copa. Mas, o meia alemão do Arsenal tem disputado um Mundial muito melhor dentro de campo. Ambos atuam pelo lado esquerdo do ataque, mas Özil entra muito mais na área adversária do que o jogador do Paris Saint-Germain, que procura fazer jogadas mais pelos lados do campo. Com isso, finalizou mais (9 contra 5 chutes) e tem um gol no torneio.

Thomas Müller x Messi

São os dois principais destaques das seleções finalistas da Copa. Quando os seus treinadores precisam, atuam até da mesma forma na Alemanha e na Argentina, respectivamente: de falso 9, mas com características diferentes. Messi é o que mais dribla na Copa, com média de 7,3 fintas por jogo, segundo o Datafolha. O também camisa 10 do Barcelona trabalha mais fora da área, atuando, às vezes, pelo lado direito do campo e entrando na diagonal. Funciona como um armador muitas vezes no campo de ataque. Já Thomas Müller, por ser mais alto (1,86 m contra 1,69 m) e ter mais presença física, entra mais na área e, por isso, é o vice-artilheiro do Mundial, com cinco gols, um a mais do que o argentino. O alemão também deu três assistências na competição, a segunda melhor marca do torneio ao lado de Kroos. Jogador por jogador, Messi é mais técnico e mais habilidoso. E também tem sido mais importante para a Argentina do que Müller para a Alemanha, já que o alemão tem melhores coadjuvantes neste Mundial.

Klose x Higuaín

Ambos são centroavantes de área, mas o argentino do Napoli, até por ser dez anos mais jovem, sai mais da grande área adversária e "flutua" pelos lados do campo, abrindo espaços para Messi no centro da defesa rival. Artilheiro das Copas, com 16 gols, o alemão da Lazio já balançou as redes duas vezes na competição, enquanto o argentino, uma. Pelo chão, Higuaín é mais técnico e toca melhor a bola. Pelo alto, Klose supera o concorrente.

Joachim Löw x Alejandro Sabella

Auxiliar do ex-treinador da Alemanha, Jürgen Klinsmann, o agora técnico do selecionado alemão, Joachim Löw, leva o time europeu à final de uma Copa após quase oito anos no comando. E aposta no trabalho de continuidade do antecessor para conquistar a taça mundial. Já Alejandro Sabella, à frente da Argentina há quase 3 anos, teve de superar o corte do atacante Tevez, da Juventus, com um time que tem a forte marcação no campo de defesa e com Messi inspirado no ataque. Como não tem tanta qualidade técnica em mãos, colocará em prática a sua tática defensiva para levar o título ao país sul-americano após 28 anos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave