Justiça aceita denúncia contra máfia de cambistas e manda prender dois

Promotor Marcos Kac, do Ministério Público do Rio, pediu nesta quarta-feira a prisão preventiva dos suspeitos que haviam sido indiciados sob acusação de cambismo

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Policiais civis do Rio cumprem dois dos 11 mandados de prisão preventiva expedidos pela Justiça, na tarde desta quinta-feira (10), contra suspeitos da máfia dos cambistas.

O promotor Marcos Kac, do Ministério Público do Rio, pediu nesta quarta-feira a prisão preventiva dos suspeitos que haviam sido indiciados sob acusação de cambismo, associação criminosa e lavagem de dinheiro pela venda ilegal de ingressos na Copa do Mundo. A juíza Joana Cardia Jardim Cortes, do Juizado do Torcedor, acatou o pedido nesta quinta.

Entre os suspeitos de envolvimento na máfia dos ingressos está o diretor executivo da Match Services, o britânico Ray Whelan - apontado pela polícia como fornecedor dos bilhetes para a quadrilha.

Segundo investigadores, uma minuta de contrato da Match com a empresa Atlanta - de Lamine Fofana, suspeito de chefiar o grupo - foi encontrada no quarto de Whelan no Copacabana Palace, na tarde de segunda-feira, no momento da prisão do estrangeiro. Nesse documento há números de pacotes e valores que seriam negociados pela dupla.

O britânico acabou sendo liberado após pagar fiança de R$ 5.000 e deixar passaporte na Justiça para garantir que não vai fugir.

Policiais civis da 18ª DP (Praça da Bandeira) disseram que devem pegar na tarde desta quinta imagens no Copacabana Palace que mostrariam encontros de Whelan, Fofana e outros integrantes da quadrilha.

Além de Whelan, Marcelo Pavão também conseguiu o benefício na Justiça para responder em liberdade. De acordo com a polícia, a mesma desembargadora, Marília de Castro Neves Vieira, acatou o pedido de habeas corpus das defesas dos dois.

Já o advogado paulista José Massih foi indiciado, assim como os outros, mas responde em liberdade porque teria colaborado com a polícia ao indicar a participação de Whelan no esquema.

Leia tudo sobre: justiçaprisãocambistascopa do mundomáfiaquadrilhapolícia civilrio de janeiro