Agentes municipais de saúde realizam assembleia no centro de BH

Cerca de 150 servidores debatem plano de carreira e reposição de dias parados pela greve geral; categoria também alega que PBH não paga piso estabelecido por lei em âmbito nacional

iG Minas Gerais | BERNARDO ALMEIDA |

Aproximadamente 150 servidores municipais de saúde fazem uma assembleia nesta quinta-feira (10), na praça Afonso Arinos, na região Central de Belo Horizonte.

De acordo com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte (Sindibel), participam da reunião Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e Agentes de Combate às Endemias (ACE), para discutir questões como o piso da categoria, além de um plano específico de carreira e a reposição dos dias parados em função da greve geral dos servidores municipais, em maio.

Reivindicações

A lei 12.994/14 estabeleceu um piso nacional de R$ 1.014 para Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias. O Sindibel alega que, apesar de sancionada no dia 17 de junho pela Presidência da República, a Prefeitura de Belo Horizonte ainda paga abaixo do valor determinado. O vencimento inicial para agentes comunitários de saúde seria de aproximadamente R$ 750 e de cerca de R$ 950 para os agentes de combate às endemias.

Além disso, os servidores alegam que não houve definição acerca da reposição dos dias parados, em função da greve de maio, e pretendem também que a PBH regulamente um plano de carreira, ainda inexistente.

O Sindibel também informou que o presidente do sindicato, Israel Arimar, deve se reunir às 16h com a gerência de relações do trabalho da PBH, na Secretaria Municipal Adjunta de Recursos Humanos.

A Secretaria Municipal de Saúde ainda não se posicionou sobre as questões levantadas pelos servidores.

De acordo com a BHTrans, a mobilização não provoca reflexos no tráfego.

Atualizado às 11h18

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave